A luta contra o mosquito Aedes aegypti está longe de terminar. O mosquito transmissor da dengue e do #Zika Vírus, teve sua guerra declarada em todas as partes do mundo.

Na tarde dessa quarta-feira (10), a presidente #Dilma Rousseff se reuniu com os principais líderes religiosos do Brasil para traçarem uma estratégia no combate ao mosquito transmissor. A ideia da presidente é de que os líderes religiosos ajudem na orientação dos fiéis para aumentarem o combate contra o mosquito e assim, eliminar os criadouros do mosquito.

Dilma destacou a importância dos líderes religiosos nesse combate. Segundo ela, a credibilidade dos religiosos pode ajudar e muito nessa luta orientando os fiéis a evitar o acúmulo de água parada em casa.

Publicidade
Publicidade

Segundo estatísticas do governo, as residências são responsáveis por dois terços do foco do mosquito transmissor.

No mesmo dia, a CNBB (Confederação Nacional dos Bispos no Brasil) e o CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs) lançaram a Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2016. O objetivo da campanha é mostrar os direitos e deveres de cada um ao saneamento básico.

De acordo com o presidente do CONIC, o bispo Flávio Irala, além da nossa casa, o objetivo da campanha é mostrar que somos responsáveis também pelo espaço público. Destacou ainda que 'não adianta preocuparmos somente com nossas casas e esquecer do terreno baldio do lado'.

Aborto

Com o aumento nos casos de microcefalia causado pelo zika vírus, voltou à tona um assunto que divide opiniões de políticos e religiosos: a possibilidade de aborto em mulheres que contraíram a doença.

Publicidade

O tema aborto não foi discutido nessa reunião com as lideranças políticas, mas a maioria dos líderes religiosos destacaram que o assunto é urgente e que deverá se aprofundar e amadurecer ainda mais o assunto.

O líder da Aliança Batista no Brasil, Joel Zeferino, disse que ainda não tem uma opinião formada sobre o assunto, mas entende que o tema deverá ser tratado junto à sociedade de forma democrática e aberta. Ele destaca ainda que as mulheres que porventura venha a sofrer esse aborto, participem e opinem durante os debates. #Religião