Quarenta e quatro anos, renda mensal de R$ 3,9 mil, 18 anos de estrada. Este é o perfil médio do caminhoneiro brasileiro, resultado de uma pesquisa que ouviu 1.066 motoristas de caminhão de todo o Brasil, em novembro do ano passado. Seis em cada dez queixam-se dos perigos e insegurança das estradas, mas quase a metade avalia que a profissão oferece a possibilidade de se conhecer novas cidades e países. A pesquisa foi realizada pela Confederação Nacional do Transporte e divulgada nesta quinta (18).

A pesquisa também levantou que a idade média da frota nacional está em torno dos 13,9 anos (16,9 anos dos veículos dos autônomos e 7,5 anos dos veículos de frota).

Publicidade
Publicidade

Segundo o levantamento da CNT, os caminhoneiros trabalham mais de 11 horas por dia e rodam cerca de 10 mil quilômetros todos os meses. Os efeitos da crise econômica também já começam a ser sentidos: 86,8% observaram queda na demanda por seus serviços.  

Os caminhoneiros têm renda mensal baixa e enfrentam problemas como o elevado preço do combustível, que impacta o #Trabalho dos autônomos e o das empresas transportadoras. Muitos caminhoneiros reclamam da Lei do Caminhoneiro e sentem falta de pontos de apoio para cumprir o que determina a legislação, conclui a pesquisa.

Um dado preocupante é que 59,9% disseram consumir bebida alcoólica apenas aos finais de semana. 45,6% dos caminhoneiros receberam oferta de algum tipo de droga ou substâncias ilícitas. Nos últimos anos tem se registrado o uso da cocaína, que deu lugar ao popular 'rebite' - remédios psicotrópicos que espantam o sono e fazem com que os caminhoneiros possam rodar por longas horas sem se cansar.

Publicidade

Uma pesquisa do Ministério Público do Trabalho do Mato Grosso do Sul revelou que um entre cada três caminhoneiros pode usar drogas para aumentar sua jornada de trabalho como forma de compensar o baixo valor do frete.

Outra conclusão da entidade, é que a frota está ficando velha, principalmente os veículos dos profissionais autônomos, que enfrentam dificuldades na aquisição de um novo caminhão. No total, 44,8% têm alguma dívida a vencer. #Crise #Comportamento