Nayara Justino virou assunto em todo o mundo ao virar tema de um documentário do 'The Guardian', respeitado jornal da Inglaterra. No filme com título (traduzido) de 'A Rainha do #Carnaval Brasileiro foi Considerada Negra Demais', a dançarina conta de como foi da sua escolha até a sua "demissão" do cargo de 'Globeleza', representante célebre do Carnaval através da TV Globo. De acordo com relatos de próprio Justino, existe um racismo oculto na sociedade brasileira. Ela chega a insinuar que perdeu o cargo por ser "Negra Demais". 

Nayara foi escolhida em um concurso com grande destaque na mídia, mas diferente de todas as outras 'Globelezas', ficou apenas um ano no cargo.

Publicidade
Publicidade

A repercussão do caso foi tão grande que até a atriz Lupita Nyong',o, que ganhou o Oscar de melhor atriz coadjuvante em 2014, ficou comovida com a história da brasileira e disse que sua história era linda e comovente. Em entrevista ao jornalista Sandro Nascimento, publicada neste domingo, 21, Justino contou mais sobre como foi o processo do documentário e sobre como está lidando com a repercussão deste, discutindo mais uma vez o preconceito no país. 

Sai negra, entra mulata

A ex-'Globeleza' confessou que não esperava tanta repercussão, mas que fica feliz, pois tudo foi feito de uma forma muito bonita durante meses. A dançarina lembrou que é negra e foi trocada por uma bailarina mulata. Ela revelou que não afirma que foi isso o que a tirou do posto, mas que coincidência ou não, foi o que aconteceu e o documentário aborda justamente isso.

Publicidade

Nayara chegou a receber ofensas racistas na internet, mas superou e garante que perder o posto de 'Globeleza' não a fez desistir. "Mas as maldades sofridas não esqueço e as uso de motivação e inspiração", garantiu na entrevista. 

Nayara contou que chorou muito quando ficou sabendo do relato feito pela atriz Lupita Nyong',o. Para ela, isso foi uma grande realização, especialmente porque está recebendo mensagens vindas de tudo o mundo, mandando ela não desistir por ser muito guerreira.  #Justiça #Crime