O Governo Federal anunciou no início da semana que pretende unificar a idade mínima para aposentadorias de homens e mulheres no Brasil. A mudança deve ser feita de maneira gradual e em um período a longo prazo (estima-se que dentro de 30 anos, no máximo). No novo planejamento de reforma da previdência proposto pelo Palácio de Planalto, as regras serão iguais para todos os regimes: mulheres e homens; trabalhadores do setor privado e público; e trabalhadores do setor rural e urbano.

Segundo o plano de transição do #Governo, as novas regras para aposentadoria não vão valer para quem já está próximo de se aposentar, devendo valer, se aprovada e implementada, apenas para quem está em atividade no mercado de #Trabalho há pouco tempo (ou ainda distante de se aposentar) e para quem ainda entrará no mercado depois da nova implementação.

Publicidade
Publicidade

Para o economista Adriano Fonseca, a nova contagem do Governo para aposentadoria busca a fixação de um mesmo mecanismo para se alcançar um mesmo objetivo. “O que o Governo quer é padronizar as regras para todos os trabalhadores do país. Isso, em teoria, sugere uma conta mais simples, porém, não é bem assim. Definir uma idade mínima de aposentadoria para todos os regimes pode gerar bastante conflito entre as classes trabalhadoras”, alerta Fonseca.

“Os servidores públicos, por exemplo, se aposentam no país com 55 anos (mínimo para mulheres) e 60 anos (mínimo para homens), se houver uma padronização geral para 65 anos, estes trabalhadores vão protestar, não tenha dúvidas. Será preciso que o Governo elabore um plano justo que favoreça a todos os envolvidos, e isso, acredito, será bem complicado de se fazer”, questiona o economista.

Publicidade

Elevação da idade

Segundo informações do Jornal Folha de São Paulo, o Governo estuda uma forma de como elevar a idade para aposentadoria, que será padrão para todos os trabalhadores, o que reforça o alerta feito pelo economista Adriano Fonseca, de que essa mudança pode gerar conflito entre as classes trabalhadoras no Brasil.

Ainda segundo a Folha, o objetivo do Governo de elevar a idade para o trabalhador se aposentar seria para atingir os padrões mínimos mundiais, já que a idade exigida atualmente no país (60 anos para mulheres e 65 anos para homens) está abaixo da idade exigida na maior parte dos outros países do mundo, onde ocorre a padronização geral, como nos Estados Unidos e França (67 anos), no Reino Unido (68 anos), no Japão e em Portugal (65 anos) e na Alemanha (63 anos).

Para Paulo Barbosa, 41 anos, técnico de informática, a nova regra do Governo pode sim ser uma boa opção para aposentadoria.

“Eu acho que seria mais justo se houvesse uma idade mínima para todo mundo. É assim em vários países do mundo, inclusive, em países desenvolvidos, o que já pode servir de modelo para o Brasil.

Publicidade

Sei que vai ter gente pra reclamar, mas isso sempre vai ter, em qualquer decisão que o Governo tomar. Nessa hora, acho que o importante é ser menos egoísta e pensar em todos. Ainda estou longe de me aposentar, mas acho correto que tenha uma idade padrão. Essa é a minha opinião”, afirma Paulo. #Crise econômica