A cidade de Piracicaba, recebe semanalmente cerca de 800 mil mosquitos Aedes aegypti transgênicos, com intuítuo de neutralizar a ação do transmissor das doenças #Dengue, chicungunha e zika. Criado pela empresa inglesa Oxitec, o mosquito da dengue, mais conhecido como "mosquito do bem", tem sido um aliado importante no combate a doença no interior de São Paulo.

A experiência foi implantada, há um ano, no bairro Cecap-Eldorado, para impedir a proliferação da espécie na cidade. O local foi escolhido por ter registrado há dois anos, 80% dos casos de dengue do município. Piracicaba tem cerca de 460 mil habitantes.

A dengue era a única preocupação quando a medida foi adotada, porém hoje a situação é outra, já que o Aedes aegypti também pode transmitir outras doenças graves.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a Oxitec, o número de mosquitos na região, onde se aplicaram os testes, diminuiu 82% nos últimos oito meses e o número casos de dengue registrados passou de 133 para um. 

O combate, por meio dos mosquitos trangênicos, se dá porque eles cruzam com as fêmeas transmissoras, passando para elas um gene que impede que seus decendentes  completem o ciclo de vida, ou seja, eles morrem antes de chegar na fase adulta e com isso diminui a população do mosquito trasmissor.

Ainda segundo a Oxitec, os insetos modificados geneticamente, são  tratados em um laboratório, onde são reproduzidos os "tataranetos" da primeira geração de mosquitos transgênicos. Na fase de pupa, os machos e as fêmeas do Aedes aegypti são separados em função de seu tamanho. Posteriormente, as fêmeas são descartadas, e os machos são criados até a fase adulta, para serem soltos posteriormente.

Publicidade

No processo de transmissão da doença são apenas as fêmeas, cerca de 6% das espécies, que sugam o sangue de humanos para ajudá-las a desenvolver seus ovos. Delas, apenas metade carrega parasitas que causam doenças em humanos, porém  o impacto dessas cem espécies pode ser devastador.

No mundo, existe 3.500 espécies conhecidas de mosquitos, mas a maior parte deles não incomoda os humanos, vivendo de plantas e néctar de frutas. #Zika Vírus