Embora a NASA apenas tenha divulgado essa informação em 24 de fevereiro, o evento ocorreu no dia 6 deste mês. Segundo a Agência Espacial, o meteoro. que possuía 5 metros de diâmetro, caiu a apenas a 1000 km da costa brasileira.

Esse registro realizado pela NASA foi o maior evento desde o meteoro que caiu na Rússia em 2013. Naquele ano, um cometa caiu na região habitada de Chelyabinsk, e, ao explodir, liberou energia equivalente a 500 mil toneladas de TNT, destruindo a região que, embora habitada, possuía várias áreas descampadas.

O meteoro que passou perto da costa brasileira queimou energia equivalente a 13 mil toneladas de TNT.

Publicidade
Publicidade

Para fins comparativos, a bomba atômica que detonou as cidade de Hiroshima e Nagasaki tinha 'apenas' 2 mil toneladas a mais.

No caso da Rússia, felizmente ninguém morreu, porém, mais de 1000 pessoas se feriram por causa do poder de destruição do astro.

São estimados que todos os anos caiam cerca de trinta meteoros em nosso planeta. A maior parte deles com diâmetro variando entre um e vinte metros, e quase todas as quedad ocorrem nos oceanos.

Queda próxima a costa brasileira

Como o astro passou a aproximadamente 1000 km de nosso litoral, o fenômeno não foi notado por ninguém que estivesse em terra.

O meteoro explodiu a aproximadamente 30 Km de altitude e, portanto, ao atingir o oceano, ele já estava desintegrado.

A NASA fez o anúncio em sua página da internet onde ela publica os registros de meteoros e 'bolas de fogo'.

Publicidade

Lá ela confirmou que este meteoro foi o maior registro de queda desde o episódio na Rússia.

A NASA não divulgou o porque de apenas ter informado o evento quase vinte dias após de o mesmo ter ocorrido. Apenas afirmou que sua explosão foi a cerca de 30 km de altitude, relatou o diâmetro da rocha celestial e confirmou a queda em nosso território.

Prezado leitor comente sobre o assunto. Exponha sua opinião, fique a vontade para deixar o seu registro aqui. Sua opinião é muito bem vinda em nossa plataforma e serve como incentivo e para fins de auto-avaliação dos redatores. #Natureza