Executivos relataram às Nações Unidas e aos Estados Unidos na última terça-feira, que o Brasil não tem compartilhado informações de pesquisa suficientes sobre o Zika vírus, o que não os permite confirmar o número aproximado de bebês que nascem com microcefalia na América do Sul e sua relação com a doença.

Segundo esses executivos, a falta das informações impede que os Estados Unidos e o Instituto Europeu de Patologia tenham uma estimativa sobre a epidemia e diminui a possibilidade das clínicas de pesquisa e desenvolvimento criem medicamentos e vacinas com eficácia.

Os pesquisadores afirmam que os dados de pesquisa cedida pelos brasileiros é muito limitada, de modo a impactar seriamente na capacidade de rastreamento e evolução do vírus com eficiência.

Publicidade
Publicidade

RESPONSABILIDADE BUROCRÁTICA

Os institutos brasileiros de pesquisa genética alegam que no momento, a prática de compartilhamento de amostras de sangue e outros materiais genéticos, é tecnicamente ilegal.

O diretor da Organização Mundial da Saúde Marcos Espinal, citou a importância das amostras serem enviadas e avaliadas por clínicas e laboratórios de ponta, como os americanos e europeus para a realização de um estudo otimizado do Zika e outros vírus, e afirma também que a quantidade de amostras encaminhadas aos institutos internacionais (menos de vinte amostras), não oferecem base suficiente para o prosseguimento dos estudos.

“Isso não pode ser resolvido mais tarde, é sempre arriscado esperar demais durante uma emergência.”, disse Espinal.

Espinal diz também que essas questões poderiam ser facilmente resolvidas através de discussões entre os presidentes Barack Obama e Dilma Roussef, e que a Organização Mundial da Saúde já está fazendo seu papel, que é o de estimular os países a conversarem.

Publicidade

O presidente da Fundação Oswaldo Cruz, Paulo Gadelha, diz que tem a intenção de mandar a quantidade de material suficiente para fora do país, mas se encontra impossibilitado, pois seria considerado crime.

Enquanto isso, pesquisadores, tanto brasileiros como estrangeiros aguardam a implementação de uma lei federal criada no ano passado, a qual permitiria que materiais como esses pudessem ser remetidos sem mais problemas. #Dengue #Doença #Zika Vírus