Muitas pessoas já sentiram na pele as consequências da picada do mosquito Aedes, por isso investem diariamente na prevenção. ''Desde que eu tive a zika, que eu procuro ter mais cuidado e se preservar para não ficar doente novamente. Eu não deixo mais água parada'', relatou Jeferson, uma das pessoas que já passou por isso.

Além da dedicação de cada um com a limpeza da casa e do quintal, os mutirões com a participação das Forças Armadas, já começaram em 80% dos 5570 municípios, incluídos na campanha nacional contra o mosquito. Em uma semana, de acordo com o Ministério da Saúde já foram identificados 984.300 imóveis com focos do mosquito.

Publicidade
Publicidade

O índice de infestação é de 3,77%, a meta é reduzir esse índice para 1%. Para isso, é preciso vencer algumas barreiras que são encontradas, como por exemplo:

* A recusa de acesso, que já foi registrada em 91 mil imóveis.

* Domicílios que estão fechados, e esse número chega a 6 milhões.

Ainda há muito trabalho a ser realizado, mesmo que a população venha se conscientizando, sobre a necessidade de eliminar os focos de mosquito dentro de casa e nos quintais. Nas ruas principalmente da periferia das grandes cidades, ainda tem locais com um enorme potencial de reprodução do mosquito, que precisam de intervenções do poder público.

Em um bairro do subúrbio de Salvador (Bahia), um crescente índice de infestação tem acontecido. Depois das chuvas dos últimos dias, o que se pode observar são muitos pontos de água acumulada, e muito lixo espalhado.

Publicidade

Tais condições são propícias para que a fêmea do mosquito ponha os ovos, e até o momento o mutirão ainda não passou  pelo local.

O funcionário público Benildo Ferreira, relatou sobre o problema do bairro. ''Aqui na nossa comunidade, até o momento não apareceu ninguém da força tarefa. E aqui tem muitos pontos de alagamento, que se faz necessário que essa força tarefa venha, para poder impedir os novos casos de zika e de #Dengue''.

Suzane que também teve zika, e pretendia ser mãe só que os planos foram adiados. ''Com esse processo da microcefalia, e como eu ainda não tenho filho e pretendo ter, então eu dei uma parada repensando direito. Até ver como é que vai ficar essa situação, para depois pensar em ser mãe'', comentou Suzane. #Zika Vírus