O Supremo Tribunal Federal inovou e em tempos de dinheiro curto, oferecerá a possibilidade de que seus servidores (inicialmente apenas os selecionados), exerçam suas funções em home office.

Essa medida autorizada pelo STF é facultativa, podendo ou não, ser adotada pelo presidente ou diretor do órgão no qual o servidor esteja lotado.

Os servidores que forem considerados aptos ao #Trabalho na modalidade home office, poderão fazê-lo por até um ano. O requisito para que isso ocorra é que o candidato seja capaz de providenciar a "estrutura física e tecnológica adequadas".

A resolução que permitirá aos servidores trabalharem em casa foi publicada no dia 10 de fevereiro no Diário da Justiça Eletrônico. Entretanto, os servidores selecionados para esse projeto piloto terão que alcançar produtividade maior ou igual a 15% das esperadas por seus colegas de profissão que não farão o home office.

Além de terem que alcançar metas de desempenho superiores, os servidores que se voluntariarem ao trabalho em casa terão que verificar o email frequentemente, estarem acessíveis a receber ligações do órgão e apresentar-se para reunião de desempenho com sua chefia a cada 15 dias, a fim de informar sobre o alcance das metas totais e parciais.

Publicidade
Publicidade

Nos dias de expediente os servidores em home office estarão proibidos de abandonarem seus locais de trabalho. Não será permitido que o trabalhador saia de sua cidade sem autorização prévia da instituição.

Outra restrição é para aqueles que estiverem em estágio probatório. Para estes não será possível exercer as atividades em domicílio. Os trabalhadores que lidam no atendimento direto ao público (interno ou externo), também não estão habilitados ao trabalho doméstico.

Por fim aqueles que tiveram alguma punição disciplinar recente, ocupam cargos comissionados, ou ainda cargos de chefia finalizam a lista dos que não estão dentro do programa piloto de home office.

O Supremo Tribunal Federal enxerga diversas formas de economia nessas medidas, que vão desde a redução do custeio com um número menor de colaboradores dentro da instituição, a preservação do meio ambiente (menos carros nas ruas) e a melhoria na qualidade de vida de seus profissionais.

Publicidade

#Crise