Padre da Paróquia de São João da Chapa, distrito de Diamantina-MG, é acusado de abusar de jovens que frequentavam o Centro Comunitário Infantil (CCI), da qual ele era dirigente.

O Centro Comunitário Infantil conta com a participação de mais de 100 crianças e adolescentes, e o padre residia no local há mais de 3 anos, porém, a #Justiça proibiu o padre de se aproximar do (CCI), já que ele está sendo investigado por abuso de menores, que segundo testemunhas, ocorria no local.

O Juiz da 2ª Vara da comarca de Diamantina, Fábio Henrique Vieira, impôs uma série de medidas cautelares no dia 15 de fevereiro ao padre, e as investigações apontam que pelo menos dois adolescentes foram abusados sexualmente.

Publicidade
Publicidade

Um jovem de 18 anos e outro de 13 anos, que relataram estarem sendo violentados pelo padre há pelo menos dois anos.

A comunidade de São João da Chapa foi pega de surpresa pela notícia de abuso por parte do padre, já que ele era bem visto pelos religiosos. A acusação de abuso sexual partiu de uma denuncia feita ao Conselho Tutelar da cidade de Diamantina, e com esta medida o conselho tutelar encaminhou a denuncia para o Ministério Público, que iniciou as investigações.

O padre pode ter sua prisão temporária decretada a qualquer momento, já que as provas são bastante contundentes.

A delegada Kiria Orlandi, responsável pela delegacia de Atendimento a Mulher de Diamantina, disse que em outubro de 2015 recebeu inúmeras ligações anônimas relatando abuso sexual por parte do padre, que responde na Justiça por “violência sexual”.

Publicidade

Com as denuncias em mãos, a Polícia Civil cumpriu o mandato de busca e apreensão onde foram recolhidos computadores e mídia.

Mesmo após o afastamento do Centro Comunitário Infantil, o padre continuou realizando missas e dando continuidade nas demais obrigações de padre da paróquia. Os moradores se sentem abismados com o fato de que a Igreja não tome qualquer tipo de providência em relação ao padre.

Enquanto aguarda o julgamento de Violência Sexual contra os menores, o padre continua a realizar missas na Paróquia de São João da Chapa. #Crime #Comportamento