Um passo importante para muitos brasileiros foi dado nesta terça-feira, 08, quando a tensão política no país deu lugar ao diálogo e oposição e situação decidiram voltar aos trabalhos na sessão plenária da Câmara dos deputados, em Brasília. Os parlamentares aceitaram abir a sessão apenas por conta de um projeto de lei, que libera o uso da chamada 'Pílula do Câncer' para pacientes que tem tumores malignos. A ideia é que a fosfoetanolamina seja utilizada como tratamento alternativo, quando outros já não estejam funcionando tão bem. Além disso, os pacientes precisarão assinar um termo se responsabilizando pelo uso da substância, que ainda passa por testes para comprovar sua eficácia. 

A pressão em torno do assunto aumentou, quando nas últimas duas semanas o apresentador Ratinho, do SBT, deu grande espaço para debater o tema em seu programa.

Publicidade
Publicidade

Ele chegou a chorar ao  vivo ao lembrar de um irmão que morreu aos 15 anos por ter câncer. É bom lembrar que a aprovação na Câmara é só o primeiro passo. O projeto de lei ainda será votado no Senado. Outros trechos importantes do projeto diz que o uso da 'Pílula do Câncer' não pode excluir outros tipos de tratamento, como a quimio e a radioterapia. Mesmo depois de centenas de relatos de sucesso, o uso da substância foi proibido.

O caso ganhou repercussão mundial e até países, como os Estados Unidos, já estão interessados no projeto. Mesmo assim, a 'Pílula do Câncer' teve trabalho com a Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que argumenta que não pode liberar um medicamento sem que os efeitos dele sobre os pacientes fiquem claros. 

O senado aprovando o projeto, ele segue para a sanção da presidente da república Dilma Rousseff.

Publicidade

Até lá, alterações podem ser feitas no texto, mas caso não haja nenhuma mudança, ficaria permitido não só a produção, mas também a distribuição e prescrição do remédio. Os países interessados na substância também poderiam entrar em contato com o laboratório fabricante, que ao que tudo indica deve continuar sendo o da USP, em São Paulo.  #Doença #sistema de saúde