Após as denúncias apresentadas pelo senador Delcídio do Amaral terem sido homologadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, terá de decidir se as acusações do parlamentar seriam suficientes para investigar a presidenta Dilma Rousseff.

Pelo depoimento de Delcídio, a principal acusação seria um suposto acordo entre a presidente e o então desembargador Manuel Navarro Dantas para soltar empreiteiros presos na operação Lava Jato. Segundo o delator, Dilma teria ajudado na articulação da entrada de Navarro no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e como contrapartida o novo ministro do STJ votaria a favor da soltura dos empresários presos na Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o senador, a presidenta teria tentado por pelo menos três vezes intervir nas investigações da Operação Lava Jato em companhia do então ministro da Justiça e atual advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo. Entre as supostas manobras tentadas por Dilma, além da indicação de Navarro, estaria um encontro com presidente do STF, Ricardo Lewandowski, em Portugal.

Dilma, Cardozo e Navarro negaram quaisquer das acusações. Caberá ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decidir se há possibilidade de comprovar o que foi exposto por Delcídio em depoimento.  #PT #Dilma Rousseff #Corrupção