Sergio Moro e Cia são, sem dúvidas, os novos mitos brasileiros. Depois de serem os primeiros a terem coragem de bater de frente com a corrupção e com Lula, a equipe começa a 26ª fase da #Lava Jato prendendo o vice presidente do #Corinthians.

Há quem diga, nas redes sociais, que é a primeira vez que veem um juiz punindo corintianos. Piadas à parte, o assunto é sério e não é a primeira vez que um assunto relacionado ao clube paulista é citado durante as investigações da Policia Federal.

Acredita-se que houve pagamento de propinas para a construção do Itaquerão, estádio de futebol usado pelo Corinthians e que só foi construído com o apoio inicial de Lula; que é corintiano; e que sediou jogos da Copa do Mundo de 2014.

Publicidade
Publicidade

As 6h da manhã a Polícia Federal iniciou o cumprimento de mandados de conduções coercitivas e André Luiz de Oliveira, mais conhecido entre os os corintianos como 'André Negão', era um dos que seriam levados para depor.

Ao realizar buscas em sua casa, a PF encontrou uma arma de fogo sem registro, sendo está apreendida e André Negão preso em flagrante. 

#Corrupção petista teria chegado ao Corinthians

O nome de André Negão aparece em planilhas apreendidas pela Polícia Federal na casa de Maria Lucia Tavares, secretaria dos executivos da Odebrecht. André usava o codinome de 'Timão' e 'Alface' em uma relação secreta de pagamentos de propinas.

O nome do corintiano está ligado, segundo a anotação divulgada pela PF, à um 'agendamento' de pagamento de R$500 mil na rua Emilio Mallet, em São Paulo. Após investigação, a Polícia descobriu que o endereço citado é o mesmo onde André reside.

Publicidade

Como só há um André morando no endereço mencionado, o mesmo é vice-presidente do Corinthians e o codinome da planilha era 'Timão', a PF teve suspeitas suficientes para chegar até ele na manhã dessa quarta-feira.

A assessoria de imprensa do clube de futebol não conferiu nenhum tipo de nota oficial sobre a pisão do vice-presidente até o momento do fechamento dessa matéria. Nessa nova fase a Operação Xepa, que pertence a Lava Jato, pretende desvendar muitos outros casos de corrupção no Brasil.