Com um total de 188 lojas espalhadas pelo país e quase 600 funcionários, a Barred's, conhecida rede de lojas voltada para moda feminina, entrou com pedido de recuperação judicial, conforme noticiado pelo site da revista Exame, no último dia 4 de março. 

A empresa, que também possui fábricas próprias em Cuiabá e São Paulo, tem um faturamento anual da ordem de R$ 90 milhões, porém mantém dívidas com centenas de credores, entre eles shoppings, bancos e fornecedores diversos. 

Para a direção da Barred's, a situação econômica atual fez com que o consumo caísse a níveis alarmantes. Por outro lado, os custos fixos, como o aluguel das lojas, se mantiveram altos, criando um desequilíbrio entre as receitas e as despesas. 

O processo de recuperação judicial permite que a empresa apresente um plano de reestruturação em até 180 dias. 

 

Itapemirim

A gigante dos transportes rodoviários, fundada no ano de 1953, na cidade de Cachoeiro do Itapemirim, no Espírito Santo, entrou com pedido de recuperação judicial.

Publicidade
Publicidade

O processo envolve seis empresas do grupo. 

De acordo com nota divulgada pela empresa e publicada no site G1, o objetivo é possibilitar a continuidade da empresa através do equilíbrio nas contas. 

Para a Itapemirim, o cenário financeiro e econômico atual é o principal responsável pela situação da companhia. 

Caso Bombril

De acordo com reportagem da Exame, a Bombril, tradicional indústria com sede em São Bernardo do Campo, cidade da região metropolitana de São Paulo, contratou um escritório especializado em reestruturação empresarial. 

Fontes informaram a revista que a empresa poderá realizar um novo pedido de recuperação judicial (já ocorrida entre os anos de 2003 e 2006). 

A assessoria contratada tem como desafio enfrentar as altas dívidas e os prejuízos sucessivos que a Bombril vem acumulando nos últimos tempos, causados em parte por erros estratégicos e o fraco desempenho das novas linhas de produtos.

Publicidade

Em nota, a empresa negou que planeja um novo pedido de recuperação.  #Negócios #Crise