Nesta quarta-feira, 30, o desligamento do coronel Adilson Moreira, do comando da Força Nacional, ganhou repercussão na mídia. Ele enviou uma carta aberta aos seus agora ex-soldados explicando o que o motivou a deixar o cargo. O coronel diz que o atual governo é "delinquente" é que a decisão para sua saída também passou por pedidos de sua família. O ex-comandante da Força Nacional se disse envergonhado por estar em uma posição com um governo que cria uma política extremamente complexa. Ele ficou no cargo por apenas 45 dias, assumindo o posto com a missão de ficar nele até o fim das Olimpíadas, no fim do ano. 

Adilson Moreira é o terceiro comandante da Força Nacional de Segurança que pede demissão em menos de um ano, algo que é visto como grave por interlocutores do governo.

Publicidade
Publicidade

A informação sobre a demissão do posto foi revelada pelo jornalista Lauro Jardim, do jornal 'O Globo'. Ele publicou no site do jornal um e-mail que foi enviado pelo coronel à sua corporação. 

De acordo com o ex-comandante da FN, o e-mail foi enviado como um gesto de confiança, já que houve o pedido para que ele ficasse no cargo até os jogos olímpicos, mas que não será possível devido a atual crise política que se instala no Brasil. A demissão, segundo Adilson, foi solicitada por motivos de conflito ético com decisões do governo e da presidente da república Dilma Rousseff.  "Não está interessada no bem do país, mas em manter o poder a qualquer custo", disse o militar sobre a governante do Brasil, que vive um momento de possível impeachment.

No texto, ele comenta que os rumores de que ele deixaria seu posto na Força Nacional já estavam correndo há dias e que agora estava oficialmente anunciado.

Publicidade

O militar diz que não é preciso ser inteligente para ver que o atual governo não tem qualquer tipo de "escrúpulo". O texto prossegue e diz que a administração de Dilma não está interessada em melhorar o país, nem em seu bem, mas apenas em ficar no seu posto de presidente. Segundo o texto, um substituto ficará em seu lugar. O nome não foi revelado no e-mail.  #Dilma Rousseff #Impeachment