Nesta quinta-feira, 31, a presidente da república Dilma Rousseff voltou a falar mais uma vez que o #Impeachment é golpe e que "pedalada fiscal" não é crime, se fosse, segundo ela, todos os presidentes que a antecederam deveriam ter perdido os seus cargos. Em dado momento de seu discurso, a líder política do país disse que há um movimento de extrema intolerância no país, tão grande, que segundo Dilma, pode ser comparado ao Nazismo. Ela citou uma médica do Rio Grande do Sul que se recusou a prestar atendimento à uma criança pelo fato dos pais serem petistas. Mensagens compartilhadas pela profissional da saúde ganharam grande repercussão nas redes sociais.

Publicidade
Publicidade

De acordo com Rousseff, até então os brasileiros nunca tinham mostrado o lado "fascista". Ela ainda solicitou que ninguém seja prejudicado por uma opinião política ou puramente pessoal. 

"Outro dia, uma pessoa me disse que isso parece muito com o nazismo", começou Dilma a entoar seu discurso em um evento recheado de celebridades e "intelectuais", como a atriz da Rede Globo Letícia Sabatella. "Primeiro você bota uma estrela no peito e diz: é judeu. Depois você bota no campo de concentração", comparou a presidente, citando o símbolo do Partido dos Trabalhadores, uma estrela vermelha, em seu discurso. "Essa intolerância não pode ocorrer", fechou sem pensamento sobre o que chamou de atual nazismo no Brasil. 

Nesta quarta-feira, 30, aconteceu até agora o discurso mais enfático de Dilma sobre o impeachment.

Publicidade

Foi a primeira vez que ela realmente falou de como a se defender pelo o que diz não ter feito, que é cometer crimes. No entanto, juristas argumentam que há provas de que Rousseff cometeu crimes como a falta de responsabilidade fiscal. Um dia depois do discurso, uma nova fala da presidente, um pouco após a comparação do nazismo, trouxe uma explicação dela sobre as chamadas "pedaladas fiscais". Segundo a presidente, dar dinheiro para o 'Bolsa Família', 'Minha Casa, Minha Vida' e outros programas sociais não pode ser visto como um ato criminoso.  #Lula #Dilma Rousseff