O clima é de pavor no governo federal. De acordo com informações de uma reportagem de O Globo publicada neste sábado, 26, o Palácio do Planalto está muito preocupado com a possibilidade do PMDB se desgarrar da presidente da república Dilma Rousseff. Esse temor aumentou ainda mais nesta quinta-feira, 24, quando o PMDB do Rio de Janeiro anunciou sua debandada. De acordo com fontes da Globo News, até a sexta-feira, 25, já eram pelo menos 14 escritórios, dos 27, que seriam a favor do partido não apoiar mais a presidente. A decisão oficial da legenda, no entanto, será dada nesta terça-feira, 29, quando acontece um diretório nacional. 

A ala que apoiava Dilma no Rio de Janeiro era considerada um dos seus principais pilares de sustentação.

Publicidade
Publicidade

Uma fonte entrevistada pelo jornal 'O Globo', que não teve seu nome revelado, diz que fica muito mais fácil o processo de #Impeachment de Rousseff com a saída oficial do PMDB na terça-feira. Vencer a guerra, nesse caso, seria muito mais difícil, por isso, o clima é de desesperança e até "pavor" com os rumos que o governo da presidente tomará. Um Pai de Santo contratado pelo próprio PT disse que até o dia 05 Dilma teria sua queda concreta. Ele só não explicou como, já que o processo de impeachment em si duraria um pouco mais, pois além de passar pela Câmara dos Deputados, ainda precisa ser aprovado pelo senado. 

A presidente tem até o dia 04 de abril para prestar suas explicações à Câmara, que depois vota pela sua continuidade ou não no poder. A data é levada em conta, já que a legislação da Câmara dos Deputados prevê que sejam feitas no máximo dez sessões até a defesa de Dilma.

Publicidade

Dessas, quatro já foram realizadas. 

A fonte entrevistada pelo Globo diz que a saída do PMDB do governo também deve afetar a base aliada. Além disso, a maioria dos deputados deve votar conforme o partido, ou seja, os votos que hoje a presidente diz ter como certos a seu favor, ficariam contrários. O poder disso seria a continuidade do processo. Como a legenda é muito forte, pouca gente ficaria ao lado de Dilma.  #Lula #Dilma Rousseff