O governo federal apresentou, na última quarta-feira (30), no Palácio do Planalto, o lançamento da terceira etapa do programa Minha Casa, Minha Vida. Foi um evento de grande porte, e com movimentos sociais.

A presidente Dilma Rousseff aproveitou a apresentação do programa Minha Casa, Minha Vida para falar do processo de #Impeachment que tem andamento na Câmara dos Deputados.

Dilma disse que impeachment sem crime de responsabilidade é golpe e como não cometeu nenhum crime, o que estão tentando é um golpe.

Os militantes fizeram também discurso. Hélvio Mota, dirigente da Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (FETRAF) disse, "Temos certeza de que o golpe não é contra o teu governo, é contra os pobres dessa nação.

Publicidade
Publicidade

E grande parte dos pobres está aqui hoje. Não vamos permitir que a democracia seja tomada de assalto. Não vai ter golpe",

Dilma trouxe para o evento muitos militantes de movimentos sociais e de moradia popular (MST, MTST, CONAM, FNL e CMP, entre outros) para transformar o evento oficial em uma manifestação política. Aos gritos de "não vai ter golpe", os militantes também acusaram de "golpistas" o vice-presidente da República, Michel Temer, o juiz federal, Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

De acordo com a presidente, o plano é a entrega de 3 milhões de casas, para famílias com renda de até R$ 2.350, mantendo-se  o crescimento obtido entre os anos de 2011 a 2014,  podendo chegar a 4 milhões. Mas, até agora, foram entregues apenas 1,5 milhões de unidades.

Publicidade

A presidente Dilma Rousseff também falou que, apesar das dificuldades econômicas que o país enfrenta, não é possível ajustar a economia para cortar gastos sociais, e continuou dizendo que, na história do Brasil, só os governos do PT conseguiram garantir casa própria para tantos brasileiros.

Hoje, quinta feira (31), a Comissão Especial da Câmara composta pelo professor de Direito Tributário da Uerj, e Ricardo Lodi Ribeiro, e o Ministro da Fazenda, Nelson Barbosa vai ouvir a defesa da presidente Dilma.  #Dilma Rousseff #Corrupção