Depois do sucesso ‘Tropa de Elite’ e da série ‘Narcos’, José Padilha quer inovar mais uma vez misturando a ação da realidade criminal com a ficção.

O tema escolhido da vez é a operação mais conhecida do Brasil e do mundo, a #Lava Jato, onde há dois anos a Polícia Federal investiga e coloca na prisão os responsáveis pela #Corrupção no Brasil. Várias pessoas já foram condenadas e milhões de reais já retornaram para os cofres públicos.

A revelação foi feita pelo próprio diretor José Padilha para a revista ‘Veja’ e afirmou que pretende explorar os escândalos políticos em seu novo trabalho. A série já tem nome: ‘Jet Wash’, que significa Lava Jato em inglês e que recebeu esse nome para facilitar a sua aceitação no exterior, o que não será difícil devido o mundo estar de olho nas ‘sacanagens políticas’ que só acontecem no Brasil, de onde todos saem como vilões, menos os que, explicitamente se envolvem com a corrupção.

Publicidade
Publicidade

A série contará ainda com depoimentos exclusivos de políticos envolvidos na Lava Jato (Delcídio é uma hipótese). O portal R7 divulgou que a série será produzida por uma produtora americana e que a Netflix quer exibi-la, mas isso ainda não é certo até o momento. Entretanto, devido ‘Narcos’ ter sido a série mais assistida da América Latina, a hipótese de Netflix obter os direitos para exibi-la é muito grande.

A Lava Jato de todo dia

Atualmente o principal foco da operação é o ex-presidente Lula, acusado de lavagem de dinheiro no esquema da Petrobras. O político tenta se livrar de Sérgio Moro e da justiça de São Paulo de todas as formas possíveis, sendo que já existe um pedido de prisão temporária de Lula solicitado por promotores do MP-SP.

Lula, acostumado a agir como se estivesse acima da lei, foi desmascarado há poucos dias quando, após acusar a PF e o juiz Sérgio Moro de agir contra ele; ‘inventando’ crimes a seu respeito’; gravações telefônicas feitas através de grampos da PF foram divulgadas e mostraram o petista xingando diversas pessoas, bem como conversando com Dilma e companhia a respeito de planos para ‘aliviar a barra do PT’.

Publicidade

As gravações também revelam conversas que pioraram a situação de Lula diante da Polícia Federal.

Em uma das gravações, Dilma diz que já assinou o termo de posse de Lula com antecedência, o que é proibido, uma vez que o termo deve ser assinado no ato da posse solene. A nomeação de Lula foi suspensa, mas o Diário Oficial da União ainda trata o ex-presidente como ministro em suas publicações. No período de uma semana Lula conseguiu ter sua nomeação barrada quatro vezes.

Para ouvir uma das ligações feitas pela Polícia Federal e que desmascararam Lula e Dilma, clique aqui. #Entretenimento