A corrida contra o tempo para a realização dos Jogos Olímpico do Rio de Janeiro parece não preocupar o prefeito Eduardo Paes (PMDB). Segundo o político, já há alternativas caso a expansão da linha 4 do metrô não seja concluída no tempo previsto estabelecido no cronograma inicial. O percurso tem como prioridade atingir o bairro da Barra da Tijuca, situado na zona oeste, onde serão realizadas a maioria das competições. O trecho englobaria a transição da zona sul até o local que abrigará eventos importantes da Rio-2016.

Eduardo Paes foi enfático ao afirmar que "é possível fazer Olimpíada sem metrô, mas as informações que temos é que vai ficar pronto", garantiu o prefeito, em pronunciamento feito a jornalistas na noite desta terça-feira, dia 8 de março.

Publicidade
Publicidade

O político conta com os relatórios apresentados, que indicam o bom andamento das obras. Falta saber como será o teste de funcionamento do meio de transporte antes de agosto, lembrando que os Jogos do Rio de Janeiro começam no dia 5 de agosto.

O prefeito carioca afirmou que a expansão do metrô "não é importante para a Olimpíada", destacando que para a população trata-se de "uma conquista extra". De certa forma, o política do PMDB atesta que a realização da competição serve como impulso para melhorar a infraestrutura da cidade. Além disso, a "Cidade Maravilhosa" espera receber uma quantidade enorme de turistas do mundo todo, o que representará um aporte financeiro significativo para os comerciantes e para a prefeitura. Isso sem contar a presença de atletas, dirigentes e demais autoridades envolvidas.

Publicidade

Estratégias alternativas

Caso o metrô realmente não tenha condições de operar - ao menos com o mínimo do esperado pelas autoridades - Eduardo Paes assegura ter um plano de contingência garantido para que tudo ocorra de acordo para atender os requisitos exigidos pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). Estima-se que 90% da obra da linha 4 já esteja concluída, mas ainda sem poder ser testada com total funcionalidade.

Com menos de 5 meses para o início do evento, uma das medidas já anunciadas pela prefeitura atinge a área da educação, pois foi feito um pedido de alteração para que as férias escolares aconteçam em agosto, ao invés de julho. O mesmo procedimento será realizado com as empresas que puderem colaborar, para facilitar a realização da Rio-2016.

Quanto ao tráfico de carros, ainda faltam estudos para se ter uma noção do impacto do trânsito em horários de "rush". O foco é conscientizar a população de que se trata de uma oportunidade única de demonstrar que o Rio de Janeiro tem o potencial de abrigar as Olimpíadas. #Entretenimento #Governo #Rio2016