Na quinta-feira, 17, a Polícia Federal, que já havia exposto áudios de conversas telefônicas envolvendo Lula e aliados, divulgou fotos em que são mostrados objetos e detalhes do sítio em Atibaia, São Paulo, que era frequentado pelo ex-presidente #Lula. Os objetos ali encontrados – banners personalizados, roupas, produtos de higiene -, dão indícios de que o recinto era frequentado rotineiramente pelo ex-presidente e também por sua esposa - que apareceu na mídia dizendo que estaria com a gripe H1N1.

A Polícia Federal, ao divulgar tais fotos, (confira as fotos clicando na imagem à esquerda), fez questão de destacar que Lula, em nenhum dos depoimentos, negou que frequentava o sítio.

Publicidade
Publicidade

No entanto, a questão que deixou os policiais com a pulga atrás da orelha é que, segundo as investigações, o ex-presidente Lula já havia frequentado o sítio por volta de 111 vezes e muitos pertences dele foram encontrados por lá. Em depoimentos, Lula afirma contundentemente que o sítio não pertence a ele, mas sim, a amigos.

Hoje, 18, o Partido dos Trabalhadores fez chamadas no Facebook pedindo que os militantes do partido apoiassem a manifestação pró-governo, em repúdio ao Impeachment da presidente Dilma, contra as acusações a Lula e também contra um suposto movimento ‘golpista’ elaborado pela direita política no Brasil. Além dessa convocação aos militantes, o #PT também confirmou que Lula estaria no evento e que sua presença seria algo fundamental para responder o ato da direita, que aconteceu no último domingo, 13.

Publicidade

No entanto, fontes no Facebook, como o Movimento Brasil Livre, divulgaram fotos mostrando um número significativamente reduzido de manifestantes no protesto pró-PT. Segundo a página, não passam de cinco mil manifestantes.

Ainda com relação ao sítio de Atibaia, de acordo com o Portal MSN, a Polícia Federal já estaria bastante convencida de que o ex-presidente Lula, na verdade, estava mentindo em suas declarações. A PF acredita que de fato, Lula era o verdadeiro dono da propriedade. Os policiais citam um documento encontrado no sítio na qual mostra o nome de Luiz Inácio Lula da Silva como o comprador e dono do sítio. #Protestos no Brasil