As igrejas evangélicas prometem se unir para uma manifestação contra a presidente da república Dilma Rousseff. Oficialmente, o ato é dito como uma "profecia" sobre o fim da corrupção após a era do Partido dos Trabalhadores o PT. O evento está sendo convocado pelo líder da Igreja Vitória em Cristo, Silas Malafaia e deve acontecer no dia 11 de maio, quando uma definição do #Impeachment deve estar mais clara. A manifestação acontecerá em Brasília e de acordo com uma reportagem do UOL desta terça-feira, 29, promete reunir pelo menos 85% dos líderes religiosos evangélicos, além é claro, de milhares de fiéis. Lembrando que o polêmico Malafaia é Presidente do Conselho de Pastores do Brasil. 

O evento coincide justamente com o momento em que a presidente da república sofre um processo de impeachment.

Publicidade
Publicidade

Malafaia promete que muitas caravanas estarão na manifestação, que também trará a profecia do fim da crise econômica. O pastor argumentou que a bíblia mostra diversos momentos difíceis da sociedade e citou um caso ocorrido em Israel, que em crise sempre tinha um profeta, que clamava por tempos melhores e de paz. Depois das profecias, tudo melhorava e o pastor acredita que também será assim com o Brasil. 

Malafaia disse que o problema desse governo é achar que todos são burros. Em uma entrevista à 'BBC Brasil', ele disse que mostrar sua ideologia de forma escorada com a religião seria uma grande afronta. O pastor ainda disse que no ato não terá ninguém que seja a favor da permanência na presidente do governo. "Se tivesse algum, ia dar vaia. Eu conheço o que o povo evangélico defende", garantiu.

Publicidade

Malafaia disse que o ato em si é para orações pelo Brasil, mas que cada pastor ter responsabilidade pelo o que diz, não sendo proibido argumentos contra Dilma. Ele revelou que não pode falar por todos, já que não tem procuração. "Se o ato fosse meu, eu diria: 'Vamos pedir a cabeça de Dilma'", confessou o líder religioso, que garantiu ainda que de 70 a 80% dos pastores sequer vai falar da questão política do país.  #Lula #Dilma Rousseff