Na sexta-feira, 18, aconteceram os protestos a favor da permanência de Dilma Rousseff em algumas regiões do país. No mesmo dia, um órgão que deveria ser isento no assunto manifestação, decidiu avisar que poderia existir um novo golpe político no Brasil. De acordo com documentos oficiais conseguidos pelo jornal O Globo e publicados em uma reportagem nesta quarta-feira, 25, o Ministério das Relações Exteriores enviou telegramas para todas suas embaixadas e outras instituições que representem o Brasil no exterior pedindo que fosse alertado o risco de um suposto golpe no país. 

Os telegramas foram enviados diretamente do Itamaraty e pediam que diplomatas começassem diálogos com os governos e as sociedades locais.

Publicidade
Publicidade

Minutos depois de enviada, a ordem foi cancelada. O cancelamento foi realizado tarde, já que todas as embaixadas no mundo já haviam recebido o telegrama polêmico, criando assim um terror internacional sobre o que pode acontecer no país. 

Um dos telegramas, por exemplo, pedia a resistência dos diplomatas para que assim ficasse mantida a democracia. A comunicação, segundo 'O Globo', já foi invalidade pelo próprio Ministério das Relações Exteriores. No texto, era solicitado que cada embaixada escolhesse um diplomata para fazer uma ponte entre a sociedade local e os brasileiros. De acordo com um diplomata entrevistado pelo jornal carioca, a ideia era que se disseminasse a ideia de solidariedade mundial com Dilma e com o Partido dos Trabalhadores. Com a pressão internacional, a presidente e o Partido ganhariam mais fôlego.

Publicidade

O nome do diplomata não foi escrito pela publicação. Segundo uma fonte da Blasting News, a notícia já é vista como vergonhosa para Dilma e para o próprio Itamaraty. 

O telegrama teria sido enviado pelo Ministro Milton Rondó Filho, conhecido pelos colegas como um grande defensor do governo. Ele escreve que o país pode ser alvo de grandes grupos econômicos e midiático, tirando o poder de quem foi eleito pelos brasileiros. Ele ainda pede que os servidores, independentemente de suas convicções, apoiem o Ministério e o governo brasileiro. O texto ainda diz que a luta continuará, deixando claro que não era uma mensagem institucional ou uma informação, mas apenas um pedido puramente político.  #Lula #Dilma Rousseff #Impeachment