Nesta quarta-feira, 23, foi divulgada uma lista com o nome de 200 políticos que teriam recebido patrocínio da construtora Odebrecht na última campanha eleitoral, de 2014. Nomes de parlamentares de diversos partidos são mencionados da tal planilha. De acordo com informações da revista Veja, o juiz federal Sérgio Moro deve pedir sigilo nessa nova fase da operação Lava Jato. De acordo com o jornalista Gerson Camarotti em reportagem publicada nesta quarta-feira, o Palácio do Planalto já avalia que as delações da empreiteira devem ser irreversíveis. O potencial das declarações da empreiteira tem poder explosivo e devem prejudicar ainda mais Dilma Rousseff, quando comparado com o que aconteceu com outra grande construtora, a Andrade Gutierrez. 

Isso acontece porque a empresa que está no olho do furacão foi uma das maiores doadores da campanha de #Dilma Rousseff em suas duas campanhas, em 2010 e 2014.

Publicidade
Publicidade

A Odebrecht também é investigada por ter feito supostos favores para o ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva. Lembrando que o presidente da empresa, que está preso, até então ainda não citava nada nem ninguém, mas vendo que não tinha muito o que fazer, decidiu colaborar totalmente com as investigações de Sérgio Moro.

A nova lista, citando nomes de diversos partidos deve causar ainda mais a fúria da população, que nas últimas semanas foi às ruas pedindo o #Impeachment da presidente. Outra coisa que irritou muita gente foi uma decisão do Ministro Teori, que tirou de Sérgio Moro às investigações sobre Lula. Agora, os novos passos da apuração contra o ex-presidente estão sob responsabilidade do Supremo Tribunal Federal. Uma faixa contrária a Teori foi estendida na madrugada na frente da casa do Ministro. 

Ainda nesta quarta, a revista britânica 'The Economist' publicou um editorial pedindo a saída de Rousseff do poder.

Publicidade

O veículo diz que a presidente não tem mais condições de governar e que o melhor a fazer é pedir a renúncia. Para a 'Economist', o TSE deveria impugnar a chama de Dilma na campanha de 2014.  #Crime