Rodrigo Hilbert se envolveu em uma grande polêmica. Na última quinta-feira, 10, foi ao ar na GNT, canal de assinatura da Globo, um programa onde ele mata um filhote de ovelha. Pela legislação brasileira, maltratar animais ou expô-los à condições análogas é considera #Crime. Em 'Tempero de Família', ele ensinou como se faz para fazer um bom cordeiro e sugeriu que a forma tradicional de fazer isso era escolhendo o animal e fazendo o próprio abate. O filhote de animal foi mostrado de ponta cabeça, com sangue escorrendo. Depois foram exibidas imagens do marido de Fernanda Lima cortando pedaços da carne do bicho, que depois virou churrasco. 

Toda a ação foi gravada em uma fazenda, no interior de Santa Catarina.

Publicidade
Publicidade

Além de Rodrigo Hilbert, um pecuarista da região também acompanhou toda a ação. Telespectadores e grupos ligados à proteção dos animais ficaram revoltados por dois motivos. Além da exposição do sacrifício de um animal na televisão, o fato da ovelha ainda ser filhote, tendo aproximadamente seis meses, foi chamado até de assassinato. O cordeiro ainda estava na fase de amamentação e Rodrigo não se intimidou de escolhê-lo para ser morto. 

O pecuarista tentou explicar que a carne de filhote era a mais gostosa, já que seria mais macia pelo fato da ovelha ainda esta na fase de mamar. O leite engerido pelo bicho faria com que suas entranhas ficassem também mais suculentas. Não foram exibidas imagens do animal gritando na hora em que foi morto, mas um take com o sangue jorrando em uma bacia causou a apreensão e até nojo em muitas pessoas.

Publicidade

Algumas facadas também foram mostradas no ar. 

Rodrigo ainda comparou a carne macia do animal como rasgar um sofá. Em seguida, ele cortou a carne do cordeiro em pedaços. Até mesmo telespectadores que comem frequentemente churrasco acharam desnecessário o fato de se ensinar a como se matar um filhote de animal na televisão. Já para outros, a cena pode ser interpretada como maus tratos e seria crime, enquadrado no artigo 32 da lei 9.605. A pena é aumentada se houver exposição de métodos crués na hora do abate de animais.  #Justiça