A Folha de São Paulo publicou neste sábado, 19, uma entrevista realizada com o novo Ministro da Justiça, Eugênio Aragão, de 56 anos. Na conversa, ele mandou um recado para a Polícia Federal, dizendo que trocará toda a equipe em caso de informações vazadas, como aconteceu nessa semana, quando uma interceptação telefônica envolvendo a presidente da república #Dilma Rousseff e o quase Ministro Luiz Inácio Lula da Silva foi divulgada com autorização judicial. Eugênio preferiu não vincular uma coisa a outra, mas garantiu, que se informações forem vazadas por um agente, toda a equipe será trocada e que não precisará de investigação para isso. "Não preciso de prova.

Publicidade
Publicidade

A #Polícia Federal está sob nossa supervisão", explicou ele. 

Apesar de ameaçar claramente trocar os profissionais que trabalham na PF, ele garantiu que não quer influenciar na maior investigação policial de toda nossa história, a 'Operação Lava Jato'. É bom lembrar que o antecessor do atual Ministro, José Eduardo Cardoso, que hoje trabalha como advogado-geral da União, era criticado por #Lula por não conseguir controlar os agentes federais. 

Eugênio não concorda ainda com o sistema de delação premiada, que acabou incriminando muitos outros políticos. Para ele, esse sistema é classificado como "extorsão". O Ministro da Justiça ainda tentou minimizar os áudios divulgados em que Lula supostamente tentaria atrapalhar o trabalho dos agentes federais. 

As declarações do novo Ministro rapidamente repercutiram no mundo político e também na internet e a notícia se tornou a principal da manhã.

Publicidade

O temor é que de alguma forma a investigação da Lava Jato, que já dura dois anos, possa ser prejudicada por Eugênio, especialmente pelo fato dele dizer que pode trocar investigadores quando quiser, mesmo que não tenha nenhuma prova para isso.

A entrevista da Folha foi realizada na sexta-feira, 18, mesma data em que protestos a favor de Dilma foram realizados em todo o país. De acordo com a Polícia Militar, mais de 200 mil pessoas foram às ruas. Os organizadores falam em mais de um milhão.