O clima foi de tensão em frente a unidade da Pontifícia Universidade Católica (PUC) no bairro de Perdizes, São Paulo, na noite desta segunda-feria, 21. Os alunos da unidade são, em sua maioria a favor de #Dilma Rousseff, e não aceitaram que um grupo de centenas de estudantes fizessem do lado de fora da PUC um protesto pedindo um impeachment da presidente da república. Mesmo com a manifestação feita na rua, os ânimos se acirraram. Os alunos que estavam dentro da PUC começaram a tacar latas e garrafas em quem gritava 'Fora Dilma' nas ruas.

A polícia também agiu com violência, dispersando os estudantes. Imagens exibidas por volta das 22h35 pela Globo News mostraram o momento que profissionais da segurança atiraram com armas de bala de borracha e jogaram bombas de gás lacrimogêneo nos jovens.

Publicidade
Publicidade

Até o fechamento desta reportagem, ainda não havia informações oficiais de feridos e presos pela assessoria da PM de São Paulo. Nas redes sociais, os manisfestantes reclamaram da atitude dos estudantes pró-Dilma, que agrediram quem estava na rua e também da PM, que usou de força para dispersar um protesto que até então acontecia de maneira pacífica. 

De acordo com a TV Globo, os policias também usaram spray de pimenta. O ato em frente a PUC foi convocado pela internet. Em um evento montado no Facebook, ele tem o nome de 'Ato Contra a Corrupção'. Os jovens levaram para frente do prédio da universidade um carro de som e argumentaram porque Dilma Rousseff deve deixar o governo. A falta de tato político, a crise financeira, político e supostas informações que ligam Dilma ao esquema de corrupção da Lava Jato foram lembrados durante o protesto. 

Ao ver o protesto na Rua, estudantes contra o #Impeachment se posicionaram, gritando que não haveria golpe no país.

Publicidade

Lembrando que na semana passada, a mesma universidade recebeu um evento com cerca de 700 pessoas apoiando a presidente. 

Até o momento, a PUC não se pronunciou sobre os atos de violência flagrados na sua porta. Nenhum movimento também postou qualquer nota sobre o caso.  #Lula