O presidente Luiz Inácio #Lula da Silva é alvo de mais uma investigação da Polícia Federal. A reforma do Instituto que tem o nome do político está sendo apurada pelo juiz federal Sérgio Moro. O caso foi dado com destaque nesta segunda-feira, 21, pela Revista Época. O instituto de Lula fez uma reforma e tentou regularizar as mudanças por três vezes seguidas, sendo sempre reprovado. O arquiteto que assina o projeto é ex-secretário e ainda trabalha na gestão do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, também do Partido dos Trabalhadores, o PT

As reprovações estranhas trouxeram à investigação de Moro novos indícios. Dessa vez, funcionários de uma subprefeitura estariam ocultando falhas e irregularidades do Instituto, beneficiando assim o ex-presidente, que na semana retrasada chegou a ter seu pedido de prisão preventiva pedido pelo Ministério Público de São Paulo.

Publicidade
Publicidade

Lula ainda teve a ajuda do arquiteto Paulo Giaquinto, que teria tentado regularizar o projeto, que segundo ele, foi de expansão da garagem e outros acertos, não detalhados. 

O arquiteto revelou que trabalhou entre os anos de 2011 e 2012 sem receber um centavo do instituo, mas teria recebido cerca de R$ 40 mil da Odebrecht para assinar o projeto de regularização em 2013. No entanto, segundo a Época, o dinheiro recebido pelo arquiteto foi declarado como remuneração por obras realizadas no Estádio de Itaquera, reformado pela mesma construtora, também investigada pela Lava Jato. A polícia federal agora quer provar se de fato a Odebrecht foi quem pagou a reforma da entidade com nome do companheiro da presidente da república #Dilma Rousseff

Grampos realizados pela polícia federal trouxeram os primeiros indícios, que além da Odebrecht, o Instituto estaria encoberto pela prefeitura de São Paulo.

Publicidade

Funcionários de uma subprefeitura foram flagrados oferecendo ajuda para acabar com problemas que se arrastam há anos. Uma planilha encontrada durante uma operação de busca na sede da Odebrecht traz o repasse de R$ 12,4 milhões para 'IL', a quem os investigadores creditam ser o Instituto Lula.  #Impeachment