Os grampos autorizados pelo juiz Sérgio Moro em torno do ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva continuam rendendo nesta sexta-feira, 18, dia em que ele virou e deixou de ser Ministro da Casa Civil mais uma vez. A conversa da vez envolve Jacques Wagner, que cedeu seu posto para #Lula, e Rui Falcão, Presidente do Partido dos Trabalhadores, o PT. No áudio, fica evidente que o partido e o governo não só sabiam da possibilidade de prisão de Lula, como também tentaram evitar sua prisão preventiva. 

O presidente do Partido dos Trabalhadores cobra um pulso mais firme do governo e do então novo Ministro da Justiça, Eugênio Aragão.

Publicidade
Publicidade

Rui Falcão questiona para Jacques Wagner o que aconteceria se a presidente da república #Dilma Rousseff nomeasse Lula para um ministério. O então Ministro da Casa Civil diz que não tem ideia de como seria a repercussão da nomeação. No entanto, ele faz uma recomendação considerada por muitos criminosa, a de que o prédio onde mora Luiz Inácio Lula da Silva fosse cercado, tentando assim atrapalhar o trabalho da Polícia Federal, que investiga Lula na operação Lava Jato, maior e mais longa operação de investigação policial que acontece no país. 

Abaixo você pode ouvir o áudio completo da conversa entre Jaques Wagner e Rui Falcão:

“Eu acho que tem que ficar cercado em torno do prédio dele e sair na porrada, Rui", disse o então Ministro da Casa Civil. O presidente do Partido dos Trabalhadores dá a ideia de consentir a ideia, mas pede que o governo tome providência ainda maiores.

Publicidade

A interceptação da ligação é datada do dia 10 de março, mesma data em que o Ministério Público do estado de São Paulo solicitou que a prisão preventiva de Lula fosse expedida. De acordo com informações da Veja, a ideia de transformar Lula em um dos ministros de Dilma começou a ganhar força a partir deste episódio. 

Em tempo, manifestações a favor do governo aconteceram em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. Os números divergem, mas os organizadores falam em mais de um milhão de pessoas nas ruas.  #Impeachment