Nesta semana, o Ministério Público Estadual de São Paulo abriu uma investigação contra o vereador Marco Antônio Ricciardelli, mais conhecido como Marquito. Do PTB, o político é acusado de obrigar seus funcionários a devolver uma parte dos salários para ele. Uma das pessoas que acusa Marquito gravou até um vídeo, no qual o assessor do vereador explica como funciona o esquema. Funcionários com salários de R$ 8 mil recebem R$ 4 mil ou menos. O dinheiro, no entanto, caía na conta, precisava ser sacado e "devolvido" para o gabinete do representante do PTB, como uma espécie de pedágio. Quem não aceitasse, era ameaçado de ser mandado embora. Com a crise econômica e política que passa o país, muitos tivera medo de realizar qualquer tipo de denúncia. 

De acordo com informações do jornalista Flávio Ricco em reportagem publicada nesta terça-feira, 29, mesmo após as sérias acusações sofridas contra Marquito, Ratinho e o #SBT decidiram por não afastar o funcionário, que além de vereador trabalha como uma espécie de "animador" de programas.

Publicidade
Publicidade

Em nota, a empresa de Silvio Santos confirmou que ele continua cumprindo suas obrigações. Nesta segunda-feira, 28, no entanto, ele não apareceu na televisão. O canal nega qualquer represália e disse que o sumiço do vereador foi uma mera coincidência, já que existe um rodízio dos artistas da atração de Carlos Massa. 

No mesmo dia em que o vereador não foi trabalhar, o comandante da atração disse a seguinte frase: "quem erra tem que pagar, ser preso". Ratinho comentava o atual cenário político. Além do 'animador de programa', Carlos Massa teve recentemente o nome do filho, Ratinho Junior, em uma das planilhas achadas na sede da Odebrecht. A planilha tinha informações de repasses financeiros. Junior disse que todas as doações que recebeu para sua campanha eram legais.

Além do vereador, Edson Roberto Pressi (assessor) e o advogado de Marquito são investigados por participar do suposto esquema.

Publicidade

O assessor de imprensa, Marquito e funcionários do gabinete serão intimados a depor no Ministério Público Estadual nos próximos dias. Até o momento, o político preferiu não comentar as acusações feitas a ele, nem mesmo o vídeo em que aparece seu assessor.  #Crime #É Manchete!