Uma pesquisa realizada entre os dia 17 e 18 de março foi divulgada na noite deste sábado, 19, pelo Datafolha, um dos institutos de pesquisa mais respeitados do Brasil. A pesquisa teve o intuito de saber a opinião dos brasileiros depois das manifestações contra e a favor da presidente #Dilma Rousseff. Desde que é feita esse tipo de pesquisa, nunca o número de brasileiros a favor do impeachment foi tão alto. Agora, de acordo com o Datafolha, 68% dos eleitores apoia a abertura do processo de #Impeachment pelo Congresso Nacional. A rejeição da presidente também se aproxima de seus piores patamares, 69%. Como existe uma taxa de erro da pesquisa, de dois pontos para mais ou menos, ela empata com a do ano passado, quando Dilma aparecia rejeitada por 71% dos brasileiros.

Publicidade
Publicidade

Luiz Inácio Lula da Silva, que nessa semana chegou a ser empossado Ministro da Casa Civil, mas que agora só é ex-presidente da república, é rejeitado por 57% dos que opinaram da pesquisa. Essa é a maior taxa de rejeição de #Lula em toda a história. O número de brasileiros que não acredita no líder do Partido dos Trabalhadores, o PT, aumentou depois que a polícia federal divulgou escutas que indicariam que Lula estaria atrapalhando o trabalho de investigação da Lava Jato. Antes disso, a vez em que Lula aparecia com eleitores mais contrários a ele foi em 1994, quando ele perdeu às eleições presidenciais para Fernando Collor de Mello. Naquela época, 40% de quem votava não queria ver Lula nem pintado de ouro.

Pesquisa mostra que Marina Silva é o nome da vez

O Datafolha também mostra que se as eleições presidenciais fossem hoje, nem o Partido dos Trabalhadores, muito menos o PSDB seriam os vencedores.

Publicidade

Nos dois cenários observados, a ex-senadora Marina Silva aparece sozinha na liderança, registrando entre 21 e 24% das intenções de votos. Ela chegou a liderar na última campanha presidencial, mas depois de muita publicidade contra ela,  Marina viu-se ultrapassada por Aécio Neves, que na reta final ainda perdeu para Dilma Rousseff.