O juiz federal Sérgio Moro enviará hoje ao Supremo Tribunal Federal (STF) a planilha de pagamentos feitos pela Odebrecht a cerca de 300 nomes ligados a 24 partidos políticos. Entre os beneficiados pelos pagamentos estão pessoas com foro por prerrogativa de função, como senadores e deputados. Todos os listados teriam supostamente recebido propina da empreiteira. 

A lista com os nomes foi encontrada no Rio de Janeiro por uma força-tarefa durante a 23ª fase da Operação Java Jato, chamada de Acarajé, na casa de Benedicto Barbosa Silva Junior, ex-presidente de infraestrutura da empreiteira. 

Os investigadores apontam Benedicto como o encarregado de Marcelo Odebrecht para tratar de repasses a políticos e doações eleitorais.

Publicidade
Publicidade

A superplanilha da Odebrecht

A superplanilha, como foi denominada, foi divulgada oficialmente no dia 23 de março pela manhã. No início da tarde do mesmo dia, Sérgio Moro decretou sigilo sobre o documento. A planilha é a maior lista de nomes de políticos e partidos associada a pagamentos de uma empreiteira encontrada pela #Lava Jato desde o seu início, em 2014.

Os partidos que constam na planilha são PT, PMDB, PSDB, PPL, PP, PSB, PTB, DEM, PDT, PSD, PRB, PC do B, PPS, PV, PR, SD, PSC, PTN, PTdoB, PSOL, PTB, PRP, PCB e PTC.

Segundo o juiz, é preciso cautela ao analisar a lista porque os pagamentos que constam na mesma podem ser de pagamentos que não tenham se efetivado ou podem ser doações eleitorais lícitas. “A cautela recomenda, porém, que a questão seja submetida desde logo ao Supremo Tribunal Federal”, disse Moro.

Publicidade

De acordo com a Operação Lava Jato, as anotações na lista referem-se às campanhas eleitorais municipais de 2012; e a campanha de 2014 para presidente, governadores, senadores, deputados federais e estaduais. Segundo a força-tarefa, não há nenhum indicativo de que os pagamentos sejam irregulares ou fruto de caixa 2.

Na planilha há também várias anotações manuscritas que fazem referência a acertos com outras empresas referentes a obras, repasses para partidos e políticos e documentos sobre campeonatos esportivos. O documento é similar a outros já encontrados na Lava Jato. #Polícia Federal