Nesta quarta-feira, 23, os brasileiros ficaram perplexos com uma lista com o nome de mais de 200 políticos que teriam recebido doações legais ou não da construtora Odebrecht, investigada pelo juiz Sérgio Moro na Operação Lava Jato. A planilha tem o nome de parlamentares de diversos partidos. Um deles chamou a atenção dos telespectadores do SBT, o nome do Secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, do PSD, conhecido por ser filho do apresentador Carlos Massa, que também usa o apelido de seu herdeiro para apresentar programas de televisão. Ele apenas um dos muito citados na lista e seu nome nela ainda não prova nada. 

Muitas das doações escritas na planilha provavelmente foram legais, mesmo aquelas que não foram divulgadas pela empresa ao Tribunal Superior Eleitoral, o TSE, pois existe na legislação a prerrogativa da existência de doações anônimas.

Publicidade
Publicidade

O nome do filho do apresentador do SBT está em uma dos sete arquivos que ganharam a internet antes da decisão de colocar o caso sob segredo de justiça. O documento foi encontrado nas últimas semanas pelos policiais federais, mas divulgados apenas nesta quarta. As planilhas foram encontradas durante a vigésima terceira fase da Operação Lava Jato, nomeada de Acarajé. Nesta fase, policiais entraram nas propriedades de Marcelo Odebrecht. O objetivo foi encontrar documentos que comprovassem repasses ilegais para as campanhas de políticos, inclusive a presidencial. 

O filho de Ratinho usou  o Facebook para comentar o fato de seu nome está sendo relacionado na planilha. Ele disse que todas as doações recebidas em suas campanhas e também da do PSC foram declaradas à justiça eleitoral e que as prestações de contas dele foram aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Paraná.

Publicidade

Ratinho Junior disse que apoia as investigações conduzidas pelo juiz Sérgio Moro e que é a favor que os casos de políticos que tenham recebido doações ilícitas sejam julgados e punidos. Já o apresentador de mesmo nome não se pronunciou a respeito do caso até o fechamento desta reportagem.  #Lula #Dilma Rousseff #Impeachment