De acordo com diversos veículos de comunicação, como 'O Globo', 'Estadão' e 'Veja', os Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) já começam a falar reservadamente que podem investigar a presidente da república Dilma Rousseff. O agravamento da crise tem tornado a governabilidade de Dilma sem uma linha futura clara de sucesso. Pelo contrário, é quase uma unanimidade a opinião de que se livrando do impeachment Rousseff não conseguiria ter poder para liderar um país do tamanho do Brasil, especialmente porque os ataques contra ela prometem não cessar. Ou seja, os próximos mais de dois anos devem ser movimentados, caso a amiga de Luiz Inácio #Lula da Silva insista em governar.

Publicidade
Publicidade

E movimentados para o lado negativo da coisa. 

Agora, segundo os veículos de comunicação citados anteriormente, integrantes do STF já dizem, mesmo que reservadamente, que há sim indícios para investigar a presidente por outros crimes fora aqueles apontados em seu processo de impedimento que está na câmara. Um deles é a tentativa de obstruir o poder da justiça, já que a presidente indicou Luiz Inácio Lula da Silva para o Ministério da Casa Civil dias depois do Ministério Público de São Paulo pedir a prisão preventiva de Lula. Caso Lula fosse empossado Ministro, ele teria foro privilegiado, e, portanto, apenas poderia ser julgado pelo STF. Apesar de ainda não ocupar o cargo, o ex-presidente acabou conseguindo ter suas investigações da Lava Jato apenas autorizadas pela mais suprema corte do país, ficando assim longe dos olhos do juiz federal Sérgio Moro. 

Os próximos dias prometem ser cruciais para Dilma.

Publicidade

A maioria dos analistas acreditam que se não houver um pedido de postergação na justiça, a votação para o #Impeachment de Dilma deve acontecer até o dia 15 de abril. Os votos estariam muito acirrados entre os deputados e tudo pode acontecer até o dia da votação. Avalia-se que Rousseff não deve pedir uma postergação da votação, já que a cada dia ela estaria perdendo aliados. Segundo a Folha, no momento, mais de 250 deputados estariam contra Dilma, pouco mais de 100 a seu favor e outras dezenas indecisos ou não mostrando seu voto. Lembrando que para que o impedimento de Dilma prossiga, pelo menos dois terços da câmara precisa  ser a favor dele.  #Dilma Rousseff