O presidente do Peru, Ollanta Humala, precisou depor sobre a Lava Jato, que agora já ganha ares de escândalo de corrupção internacional. O depoimento dele foi realizado nesta segunda-feira, 18, e dado ao Ministério Público peruano. Ao todo, a conversa com os investigadores durou mais de doze horas. A suspeita é que ele tenha cometido lavagem de dinheiro em negociações com empresários brasileiros. Quantias expressivas foram encontradas em anotações de uma agenda que tem caligrafia da primeira dama, Nadine, Heredia. Ela nega que o presidente tenha cometido qualquer crime e que os valores não significam troca de benefícios entre o governo peruano e empreiteiras internacionais. 

Não se sabe ainda o teor das perguntas feitas pelo Ministério Público do Peru.

Publicidade
Publicidade

Uma das maiores  incógnitas é se o MP teria questionado o fato de Ollanta Humala ser aliado do governo da presidente da república brasileira Dilma Rousseff, cujo vários aliados estão sendo investigados na Lava Jato, o mais famoso deles é o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva. A mulher do presidente peruano hoje também tem posição importante na política local, presidindo o chamado Partido Nacionalista. Ela também deve prestar esclarecimentos sobre as anotações em sua agenda e também a respeito da estranha relação do líder político com empresários brasileiros. 

Além do casal presidencial, outras  430 pessoas, sejam físicas ou jurídicas, tiveram o sigilo bancário quebrados. Entre as mais relevantes estão ex-presidentes e ex-ministros peruanos, além de um candidato ao posto principal da política no Peru.

Publicidade

No mês passado, a primeira dama já tinha tentado esclarecer o caso ao Ministério Público, dizendo que nunca houve qualquer contribuição econômica das empreiteiras investigadas na Lava Jato em troca de apoio ou de obras no Peru. Uma dessas reuniões aconteceu em 2010 e reuniu um nome bastante conhecido do Partido dos Trabalhadores (#PT), José Dirceu, hoje preso. Representantes da OAS, também investigada na Lava Jato, participaram da conversa. A primeira dama negou mais uma vez que houve propinas.  #Impeachment