Por volta das 17h30 no horário de Brasília, a presidente da república Dilma Rousseff fez o seu primeiro discurso depois de ter perdido a votação na Câmara dos deputados, que acabou aprovando por 367 votos o prosseguimento do processo de impeachment contra ela. Agora o documento será analisado pelo Senado brasileiro, o que deve demorar pelo menos duas semanas para a primeira votação, que avaliará se Dilma será ou não afastada. Indignada e injustiçada. Esses foram alguns dos sentimentos ditos pela líder petista após o resultado.

Ela confirmou ainda que acompanhou a votação voto a voto pela televisão e criticou que na Câmara não votaram pelo único crime que poderia tirar um presidente, o de responsabilidade.

Publicidade
Publicidade

Dilma ainda disse que estavam condenado uma inocente, lembrou do tempo da ditadura e disse que enfrentou um golpe em sua juventude e agora enfrenta outro, mas com cara de procedimento legal, em suas maturidade. "Não vão matar em mim a esperança", disse ela. 

Presidente diz que não é criminosa

A presidente disse que estava injustiçada porque o processo contra ela não tinha qualquer sustentação. De acordo com Dilma, todos os atos que ela cometeu tiveram pareceres técnicos e que nenhum foi feito, por exemplo, para enriquecê-la, pelo contrário, que teria sido utilizado para programas sociais, ajudando milhões de brasileiros. O discurso após o #Impeachment foi um dos melhores da carreira da presidente. Calma, serena e sóbria, ela cometeu pequenos erros, mas o principal erro foi justamente ter demorado demais para esclarecer seu ponto de vista, saindo um pouco da linha apenas do "golpe".

Publicidade

Ela citou, por exemplo, que o impeachment seria uma espécie de votação indireta e que os que querem se ascender ao poder não teriam votos para tal. 

Críticas ao vice "conspirador"

Dilma criticou ainda o seu vice-presidente, Michel Temer, que estaria conspirando contra ela. Segundo Rousseff, Temer seria um traidor e que em nenhuma sociedade esse tipo de gente não prospera. A presidente disse que não iria desistir do impedimento e que estava muito triste. Já com um tom embargado na voz, ela disse que continuaria lutando pois não cometeu um erro pela qual está cometendo. "Estou tendo os meus sonhos torturados", disse Dilma, que em seguida revelou que não matariam sua esperança. #Dilma Rousseff #Crise-de-governo