De acordo com informações do jornal 'O Estado de São Paulo' publicadas nesta segunda-feira, 11, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já cogita apoiar novas eleições gerais depois dos resultados das últimas pesquisas eleitorais que foram divulgadas, em especial a do Datafolha, que em quase todos os cenários o colocou como o mais votado, com pouco mais de 20% dos votos. Apesar da liderança, o petista tem rejeição de mais de 50% dos eleitores, ou seja, mesmo na frente, se as eleições acontecessem agora, ele não teria condições de vencê-la. 

A mudança de comportamento de #Lula foi percebida pelos seus aliados e o assunto eleições veio à tona em um argumento sobre o que ele faria caso não conseguisse ter autonomia no governo se o impedimento de Rousseff não passar pela Câmara.

Publicidade
Publicidade

A votação, vista como imprevisível pelos dois lados está prevista para acontecer no próximo domingo, 17. De acordo com uma matéria do UOL, Senadores aliados ao governo já falam que se o #Impeachment da líder petista passar pela Câmara, ele também passará pelo Senado. No Congresso Nacional, o afastamento da petista necessita de menos votos, apenas 50%. Já para sua deposição, assim como a Câmara, são necessários mais de 60% dos votos. Nesse caso, Rousseff sairia automaticamente do poder, mesmo antes da investigação ser concluída. 

Quem também estaria concordando com o argumento das eleições gerais é o presidente do Senado, Renan Calheiros, que apesar de ser do PMDB (partido que saiu oficialmente da base do governo oficialmente), ainda toma medidas favoráveis a Lula. Ele também tem se mantido longe do vice-presidente Michel Temer.

Publicidade

Com a saída de Dilma, Renan é o segundo na linha sucessória do governo. Caso o impeachment do vice também seja aprovado, ele se torna o presidente do Brasil de maneira provisória e novas eleições devem ser convocadas em até 180 dias. 

Quem também está na linha sucessória é Eduardo Cunha, que preside a Câmara dos Deputados. Na falta deles, quem comandaria o país é o Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) ou qualquer um dos outros Ministros do órgão.  #Dilma Rousseff