Há alguns dias noticiamos que Jair Bolsonaro, deputado federal do PSC-RJ, havia superado o número de seguidores de Dilma Rousseff em seu perfil oficial do Facebook.

Ambos possuem mais de dois milhões de seguidores, mas com a diferença que Dilma é a presidente do Brasil, logo conhecida em todo o país e Jair, é deputado federal, mais conhecido no sul e sudeste (embora também tenha apoiadores em todos estados brasileiros, entretanto em menor quantidade quando comparado ao sul e sudeste). Tal fato coloca numa balança a popularidade da presidente e do deputado, que será futuro candidato à presidência da república.

Mas não é só a Dilma que Bolsonaro supera a popularidade virtual, mas também o ex-presidente da república, Lula, considerado pelos petistas como o melhor presidente da história do Brasil.

Publicidade
Publicidade

A diferença entre os dois é ainda maior: Jair tem mais de meio milhão de seguidores a mais que o petista.

Perfil político

Bolsonaro é conhecido pelo seu posicionamento firme e irredutível diante de diversos temas. Como parlamentar, bate de frente com a esquerda com frequência, pois, se por um lado boa parte dos deputados da casa não querem votar seus projetos benéficos para a população por uma questão política partidária, por outro ele aproveita para confrontar os corruptos e nunca deixar de argumentar quando a palavra lhe é dirigida.

Dilma e #Lula

Mesmo com os petistas considerando Lula o melhor presidente da história e apoiando a permanência de Dilma no cargo, nada consegue mudar a situação caótica da política brasileira na atualidade.

Dilma enfrenta um processo de impeachment que deve ser votado nos próximos dias pela Câmara dos Deputados e sendo este aprovado, a presidente deve ser afastada por até seis meses, prazo máximo para que uma decisão final seja proferida.

Publicidade

Apesar do prazo, tudo indica que essa decisão será definida antes. Com a aprovação do impeachment na Câmara, este segue para apreciação no Congresso Nacional, que, por sua vez, se também aprovar o impeachment, cabe apenas a decisão final do STF.

O rito, entretanto, pode conter algumas diferenças em relação ao processo de impeachment de Collor no início da década de 90, pois Eduardo Cunha deixou claro que as regras gerais só seriam divulgadas no dia da votação.

Já Lula, mesmo tentando ajudar Dilma a ‘não cair’, possui uma situação tão pior quanto a da ‘companheira’. O petista enfrenta um processo por lavagem de dinheiro pelo MP-SP, possui um pedido de prisão em andamento e é alvo das investigações da Lava Jato.

Mesmo com a decisão do STF sobre o processo de Lula, o mesmo foi obrigado a prestar novo depoimento para a Polícia Federal nessa quinta-feira, 7, tentando passar despercebido pela mídia, o que não deu muito certo e logo tornou-se um dos assuntos mais comentados por sites de notícias e telejornais. #Dilma Rousseff #Internet