Muitos momentos da Comissão do Impeachment desta quinta-feira, 28, no Senado Federal, passaram praticamente desapercebidos. Antes mesmo da professora de direito da USP Janaína Paschoal começar a falar, um áudio erótico vazou nos microfones do Senado. Janaína e Miguel Reale Junior fizeram discursos de acusação conta a presidente Dilma Rousseff, alvo do impedimento. O vazamento do áudio acabou interrompendo a fala do Senador Cássio Cunha Lima, do PSDB da Paraíba, parando também a maratona de debates, que antes dos pronunciamentos dos advogados de acusação durou cerca de duas horas.

O áudio misterioso, segundo informações do jornal carioca Extra em reportagem publicada nesta sexta-feira, 29, teria vazado do celular de uma pessoa que estava na sessão, possivelmente um dos próprios congressistas.

Publicidade
Publicidade

Cássio Cunha Lima ficou espantado e constrangido pela situação, olhando para trás e tentando identificar quem estaria com o áudio estranho entoando em um momento tão importante para o país. Não gostando de ser interrompido, ele solicitou que seus segundos fossem devolvidos. “Peço que desconte do meu tempo o choro do bebê”, solicitou ele.

O áudio, no entanto, percebido por muitos internautas, mais parecia com o gemido de uma mulher. Telespectadores usaram as redes sociais para comentar a situação. Muitos acreditam que um colega engraçadinho tenha enviado a mensagem curiosa através do WhatasApp ou outro aplicativo de celular. Ninguém se apontou como o culpado da questão. Recentemente, um vereador do Partido dos Trabalhadores (PT) foi flagrado acessando um site de filmes adultos na Câmara de Florianópolis, em Santa Catarina.

Publicidade

A assessoria do vereador disse que analisaria as imagens para dar certeza de que o caso era real. O episódio ganhou grande repercussão na internet.

Nesta sexta-feira, a Comissão do #Impeachment ouviu os advogados de defesa da presidente #Dilma Rousseff, um deles José Eduardo Cardozo, advogado-geral da União, que tentou expor que a líder petista não cometeu crimes de responsabilidade fiscal. #Crise-de-governo