Após a votação do impeachment na Câmara dos deputados e com o aumento da possibilidade da presidente Dilma Rousseff ser retirada do poder, a Revista Veja decidiu traçar um perfil de Marcela Temer, possível primeira dama das próximas semanas. Isso porque o marido dela, Michel Temer, assumiria o governo, mesmo que de forma interina, com a deposição da petista. A Veja traçou um perfil considerado conservador de Marcela.

O título da reportagem era: "Bela, Recatada e do Lar". Não demorou muito para que a maior revista do país fosse criticada.

Publicidade
Publicidade

Algumas horas depois da publicação, começou um movimento de pessoas usando o título da matéria como uma espécie de bordão. Em fotos, quase sempre nada recatadas, homens e mulheres transformaram o assunto até em hashtag. No Twitter, o título da reportagem era o tema mais comentado por volta das 20h no horário de Brasília, quando essa reportagem foi fechada.

Até a própria Veja decidiu embarcar nas brincadeiras, selecionando alguns dos memes mais engraçados, coisa que nós também estamos fazendo ao longo desta reportagem. Para muita gente, a reportagem da polêmica revista foi machista e tentou colocar um padrão de vida que não consiste mais no atual papel da mulher na sociedade. Outra pessoas só levaram o caso na zoação e estão rindo atoa.

Publicidade

E tem até aqueles que nem entenderam porque boa parte de sua timeline está compartilhando momentos "devassos". 

Para Monique Rossini, pedagoga de 26 anos e residente na cidade de Amparo, São Paulo, a política no Brasil perdeu o seu respeito  e as redes sociais exploram de forma bem humorada qualquer assunto. "A mulher ter se tornado zoeira na internet só prova que o brasileiro, prefere ainda rir do que acontece no país do que se atentaram nas questões mais sérias. A esposa de Temer conquistou fãs entre os jovens que adoram criar memes", lembrou ela. 

De acordo com o jornalista Tadeu Goulart, de 24 anos, morador do Rio de Janeiro, a matéria foi machista, de mal gosto e preconceituosa. "Estão tentando legitimar uma pessoa que não fede e nem cheira como um padrão a ser admirado.  A antítese da Dilma. Nada contra ela ser o que quiser, mas além de antiquado é totalmente sem propósito", tentou mostrar seu ponto de vista. 

#É Manchete!