O governo decidiu liberar 30 presidiários do regime semiaberto para trabalharem na montagem de uma espécie de barreira que vai separar os grupos pró e contra a presidente Dilma Rousseff nos próximos protestos, marcados para acontecerem no próximo dia 17. A data é dada quase como certa para a votação do #Impeachment da líder petista. Os detentos pertencem ao Centro de Prisão Provisória de Brasília.

Montagem polêmica com a ajuda de presidiários

A montagem do alambrado começou na manhã deste domingo, 10. A polícia militar espera que pelo menos 300 mil pessoas estarão na região na próxima semana, uns defendendo e os outros criticando Dilma.

Publicidade
Publicidade

A segurança será aumentada a partir do dia 15 e a entrada na Câmara dos Deputados deve ser vetada até para jornalistas, sendo permitida apenas a presença de deputados e servidores. A transmissão da votação será feita ao vivo pela 'TV Câmara', como já acontece normalmente. 

Nada de Pixuleco

A polícia também proibiu balões gigantes e bonecos ditos como ofensivos, como o Pixuleco, que faz referência ao ex-presidente da república Luiz Inácio #Lula da Silva. Na semana passada, os patos infláveis colocados no gramado da esplanada também foram proibidos. Acampar na região também não está autorizado nesta semana. Para evitar quem descumpra essas ordens, a Força Nacional já foi acionada, mas o objetivo dos militares será mediar as brigas entre grupos, buscando evitar o conflito físico com os manifestantes.

Publicidade

Reclamações de suposto boicote promovido por Dilma

Nas redes sociais, os tapumes que estão sendo colocados em Brasília viraram motivo de críticas do dois lados do protesto. Há o temor de não existir a possibilidade de se dispersar a multidão. Além disso, para chegarem aos locais destinados aos protestos, muita gente precisará passar por regiões com pessoas adversárias à suas ideias.

Ao todo, cada corredor terá a largura de 80 metros e mais um quilômetro de comprimento. As barreiras tem cerca de dois metros de altura, ficando difícil até a visão do outro lado. Não foi informado quanto foi gasto para se dividir as manifestações. Só quem poderá ir de um lado para o outro é a Força de segurança. 

E você, o que achou da manobra utilizada pelo governo? Vai funcionar?  #Dilma Rousseff