No fim da manhã desta terça-feira, 05, a Folha de São Paulo confirmou o que já tinha vazado (por meio da própria assessoria do Supremo Tribunal  Federal, o STF), o Ministro da mais alta côrte do país decidiu que Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, deve abrir o #Impeachment do vice-presidente da república, #Michel Temer. O vice é acusado dos mesmos crimes da presidente, mas por ser aliado de Eduardo, do mesmo partido, o PMDB, tinha passado batido no processo.

Apesar dos processos de impedimento correrem em tempos diferentes, eles podem prejudicar a vida de Dilma de qualquer forma. Um deputado da base governista disse à Blasting News que o Partido dos Trabalhadores (PT) deve "cair em cima" de Temer, caso a ação contra a presidente tenha resultado negativo para o governo.

Publicidade
Publicidade

Um resultado normal em se tratando de política, caso o resultado seja benéfico para Rousseff, o futuro do impeachment de Temer é incerto. 

De acordo com a decisão do Ministro, chamado por muitos de defensor da presidente, Eduardo Cunha não poderia simplesmente arquivar o pedido recebido ainda em dezembro, que isso só cabe à uma junta de parlamentares. No entanto, pelos trâmites da Câmara, isso é comum. Outros nove processos foram arquivados só essa semana, sete contra Dilma. Agora, a Comissão vai avaliar se Temer merece ou não sofrer o impeachment. 

Dessa vez, a solicitação de impedimento foi feita por Mariel Márley Marra, um advogado mineiro. Os crimes a que Michel é acusado são os de responsabilidade fiscal, as famosas pedaladas, mesma acusação sofrida por Dilma no atual processo. Na manhã desta terça, o vice-presidente da república anunciou que estava se retirando da presidência do PMDB.

Publicidade

Ele disse que sua saída era de cunho ético, já que o partido não negociava mais com o governo. 

O que não se sabe até agora é se a continuidade do processo vai esperar o fim da votação da presidente Dilma ou se correrá em tempo separado, o que pode acabar enrolando os dois processos. É mais pólvora na explosiva política brasileira.  #Dilma Rousseff