E mais uma denúncia foi feita nesta semana contra a presidente da república Dilma Rousseff. Nesta quinta-feira, 07, a Folha de São Paulo publicou detalhes de uma delação premiada feita pela segunda maior empreiteira do Brasil, a Andrade Gutierrez. As doações para as campanhas eleitorais de Dilma nos anos de 2014 e de 2010 foram feitas de maneira legal, mas o dinheiro partiu justamente do superfaturamento no esquema de corrupção da Petrobrás. O desvio de dinheiro é investigado pela Operação Lava Jato, comandada pelo juiz federal Sérgio Moro. 

De acordo com a Folha de São Paulo, essa informação foi passada na delação de Otávio Marques Azevedo, ex-presidente da empresa.

Publicidade
Publicidade

Toda delação precisa ser comprovada para valer alguma coisa. Por isso, Otávio colocou as doações em uma planilha e essa já foi apresentada para a Procuradoria-Geral da República. Além dele, o detalhamento também foi realizado por Flavio Barro, ex-executivo da empreiteira. Os depoimentos dele foram colhidos pelos investigadores no mês de fevereiro, mas só agora a delação veio a público, justamente no momento que Dilma luta contra seu processo de #Impeachment na Câmara dos Deputados. 

Essa foi até agora a primeira vez que a descrição de como funcionava o sistema de financiamento de campanha eleitorais foi feita por executivos de uma grande empresa. Através das obras legalizadas, as empreiteiras pegavam o dinheiro superfaturado e uma parte deles dava de forma também legalizada para as campanhas.

Publicidade

A parte ilegal mesmo ficava no valor de quando custava uma obra. Uma reforma que custa na prática R$ 10 milhões, poderia, por exemplo, custar R$ 15 milhões. Desse dinheiro, R$ 3 milhões poderiam ser doados para políticos, que facilitaram as empresas a ganharem os contratos milionários. 

Na última campanha da presidente Dilma, só a Andrade Gutierrez doou R$ 20 milhões para a campanha de Dilma. Entre 2010 e 2012, outras doações foram realizadas para o Partido dos Trabalhadores e chegam a R$ 10 milhões. Na planilha apresentada à procuradoria, essas doações estão relacionadas a contratos com obras públicas. A equipe da campanha da presidente já disse que toda doação que recebeu foi legal.  #Lula #Dilma Rousseff