Faltando poucas horas para o início da votação contra o seu mandato, a presidente Dilma Rousseff decidiu ouvir os conselhos de seus aliados e cancelar um encontro com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). A presença da líder petista que já havia sido confirmada não vai mais acontecer. Existia a expectativa até que ela andasse em um acampamento montado em Brasília.

Foi cancelado também um encontro com movimentos sociais e sindicatos, que acontecerá no ginásio Nilson Nelson. Segundo informações do UOL, o Palácio do Planalto acredita que o melhor é usar todo o tempo necessário para Dilma conversar com os parlamentares, tentando votos contra o impeachment. Além disso, um encontro de Dilma com o MST poderia ser visto como incentivo de manifestações mais fortes e caso algo ruim acontecesse no futuro, ela seria culpada. 

Anteriormente, os petistas achavam melhor que Dilma fosse ao evento para dar força aos seus aliados, que desde esta sexta-feira, 15, fazem manifestações por todo o país contra o que dizem ser um "golpe".

Publicidade
Publicidade

A mesma expressão tem sido usada oficialmente pelos líderes do governo, como o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva. Ele chegou a gravar um vídeo com lágrimas nos olhos pedindo o apoio dos brasileiros e pedindo uma reflexão maior sobre como os votos dos deputados pode acabar mudando a história do país. 

De acordo com informações da Globo News, mesmo que vença o processo de impeachment, o #PT através de alguns políticos pode começar uma campanha 'Nem Dilma, Nem Temer', solicitando assim novas eleições gerais. Informação parecida deu a Folha de São Paulo que escreveu que Lula teria dito a aliados que os brasileiros estão cansados. 

A votação na Câmara dos deputados ainda é uma incógnita. Nesta sexta, o PT parecia estar virando o jogo, mas já no fim da noite a onda voltava a ser pró-impeachment.

Publicidade

A maioria dos veículos de comunicação que faz estimativas dos votos com parlamentares dá que a votação será aprovada, ou seja, o processo de impedimento de Dilma seguirá ao Senado. Caso isso se confirme, a votação no Senado deve acontecer daqui a dois ou três domingos, pelo menos é essa a expectativa nos corredores de Brasília.  #Dilma Rousseff