Na manhã desta terça-feira (12), na Barra da Tijuca, o filho do deputado federal Jair Bolsonaro, Flávio Nantes Bolsonaro, 34 anos, reagiu a uma tentativa de assalto. De acordo com a assessoria do deputado estadual, Flávio estava passando de carro na Avenida das Américas, juntamente com seu segurança, quando dois homens em uma moto, anunciaram o assalto. O segurança do deputado sacou a arma, mas os bandidos foram mais rápidos e atiraram primeiro, porém, felizmente, nenhum tiro acertou o segurança e nem o deputado. Flávio reagiu pegando sua arma e atirando também contra os bandidos. Foram vários disparos e o parlamentar acertou um dos assaltantes, que fugiu ferido.

Publicidade
Publicidade

O deputado foi à delegacia da região registrar um boletim de ocorrência e ressaltou que, mesmo não sendo um policial, ele tem porte de arma e cumpre com as obrigações para manter a autorização. O segurança de Bolsonaro é policial militar e, conforme palavras do deputado, ele saiu do carro para conter um assalto no carro ao lado. Flávio disse que o seu segurança tentou render o assaltante, que rapidamente sacou a arma. Nesse momento, o parlamentar disse que agiu e começou a atirar no bandido, foi um grande susto, completou.

Crítica ao sistema

Flávio Bolsonaro sempre foi um grande crítico ao sistema pela restrição ao porte de armas. É um sistema "praticamente impedititvo" disse o deputado. Bolsonaro é integrante da comissão que analisa a morte de policiais e as dificuldades vividas pela Instituição.

Publicidade

Flávio Bolsonaro comentou que o delegado não tinha viatura para enviar ao local, pois só tinha três e todas estavam participando de investigações. Apenas seis motos estão disponíveis para trabalhar em toda a região, e a região é muito grande. O parlamentar disse que, pelo tamanho da área, deveria ter mais motociclistas circulando na região e assim os crimes se tornariam menos propensos a acontecer. Flávio Bolsonaro é filiado ao partido PSC e é deputado estadual pelo estado do Rio de Janeiro. Foi eleito em 2014, com grande expressividade de votos. #Crime #Casos de polícia #Dentro da política