A CUT (Central Única dos Trabalhadores) promete deixar a vida de Michel Temer, atual vice-presidente, bastante complicada caso ele decida ocupar o principal posto na política brasileira. Além disso, com o impeachment de Dilma Rousseff avançando, a entidade que é grande parceira do Partido dos Trabalhadores (#PT) também pedira o impedimento do marido de Marcela Temer na justiça. O diretor-executivo da CUT, Julio Turra, expressou esse posicionamento da entidade em uma entrevista realizada nesta quarta-feira, 20, ao vivo pela TV Folha.

Segundo Julio Turra, a Central Única dos Trabalhadores começará a trabalhar com a campanha 'Fora Temer'.

Publicidade
Publicidade

Essa campanha, de acordo com ele, deve ser apoiada pelos vinte e dois milhões de trabalhadores representados pela central sindical. Dentre os motivos que ele apresentou para a campanha 'Fora Temer', está o argumento que Dilma tem usado para se defender do impeachment, dizendo que seu processo de impedimento é um "golpe".

Além disso, a CUT não estaria concordando com as supostas propostas de Temer para mudar o país. A entidade acredita que isso pode afetar o mercado de trabalho. É bom lembrar que o vice não anunciou qualquer medida para superar a crise, até porque nem pode, já que não é possível assumir a presidência enquanto o Senado não pelo menos decidir pelo afastamento de Rousseff. De acordo com Julio Terra, haverá grandes manifestações no dia do trabalhadores, marcadas para o tradicional primeiro de maio.

Publicidade

"Vai bombar", disse ele sobre a expectativa do tamanho dos protestos em todo o Brasil. 

Entidades sociais e empresariais esperam medidas menos populistas do que as que vem sendo adotadas pelo PT por parte de Temer, acreditando que ele, por exemplo, fará o aumento de impostos, ou então mexendo nos pilares do governo Dilma, como nos programas sociais. O vice já disse que não pretende diminuir investimentos no 'Bolsa Família' e no 'Minha Casa, Minha Vida', querendo até, sendo possível, aumentar a verba para esses projetos. 

Com a viagem da presidente nesta quinta-feira, 21, para Nova York, nos Estados Unidos, Temer tornou-se presidente interino do Brasil. Ela deve permanecer na cidade até domingo, 24, onde deve usar o espaço da Organização das Nações Unidas (ONU) para dizer mais uma vez que é vítima de um "golpe".  #Dilma Rousseff #Crise-de-governo