De acordo com informações do blog político 'O Antagonista', o embaixador brasileiro, Antonio Patriota, estaria criando barreiras para dois deputados federais que foram aos Estados Unidos acompanha o discurso da presidente Dilma Rousseff na Organização das Nações Unidas (ONU). A informação foi confirmada em uma reportagem publicada na noite desta quinta-feira, 21. Os deputados em questão são José Carlos Aleluia, do Democratas, e Luiz Lauro Filho do PSB. Os dois já chegaram ao estado de Nova York, onde Dilma terá cinco minutos para discursar. A conferência da ONU é sobre assuntos climáticos, mas existe a expectativa para que ela faça novamente o discurso de que o seu processo de impeachment é um "golpe". 

O Blog político, editado por jornalistas que já trabalharam na revista Veja, diz que Antonio Patriota teria se recusado a credenciar os dois deputados que participariam como "observadores" do discurso, rebatendo à imprensa local, caso seja necessário, o discurso da presidente da república.

Publicidade
Publicidade

Em entrevista ao 'O Antagonista', o deputado federal Aleluia confirmou que o embaixador só quer dar aos dois parlamentares uma credencial simples. Isso só faria com que os dois entrassem no prédio onde acontecerá o discurso de Rousseff. No entanto, essas credenciais não permitem, por exemplo, que eles participem ou entrem no plenário onde está Dilma. 

"É um absurdo", disse Aleluia. Segundo ele, a Câmara dos deputados fez um pedido oficial ao Poder Legislativo, entrando em contato com o Itamaraty para que a presença dos dois seja permitida. O deputado lembra que o Itamaraty é um órgão soberano e que tem o poder de dar esse credenciamento. Em seguida, ele criticou a atitude do embaixador, dizendo que ele está atrapalhando e obstruindo o trabalho do parlamento.

Na entrevista dada ao 'O Antagonista', o deputado disse ainda que denunciará Patriota por "prevaricação", que é o crime cometido por funcionário público quando, indevidamente, este retarda ou deixa de praticar ato de ofício.

Publicidade

"O Itamaraty não é um órgão do PT", desabafou ele.  #Dilma Rousseff #Crise-de-governo