No próximo dia 21, a presidente da república do Brasil, Dilma Rousseff, deveria comparecer ao evento que dará "start" às Olimpíadas do Rio de Janeiro. A celebração acontecerá na Grécia e terá o acendimento da tocha olímpica. Vivendo um clima político péssimo, a líder do Partido dos Trabalhadores (PT) não confirmou os motivos que a levaram a cancelar sua presença no país criador dos jogos. Inevitavelmente, a falta do líder da nação brasileira gera um "climão". Nas últimas semanas, Dilma cancelou outros eventos importantes, deixando na mão até o presidente americano, Barack Obama. Ela tem preferido ficar no Brasil, onde luta com "unhas e dentes" contra seu processo de #Impeachment

O cancelamento da viagem de Dilma à Grécia foi confirmado nesta sexta-feira, 08, pelo Comitê Grego.

Publicidade
Publicidade

Em uma nota divulgada pela entidade, a não presença da presidente teria sido informada à Grécia pela embaixada brasileira, evitando assim problemas diplomáticos maiores. Spyros Capralos, presidente do Comitê Grego, falou sobre o assunto ao site 'Around The Rings'. Ele disse que Dilma não deu razões específicas para sua ausência. Abril é justamente o mês em que deve acontecer todo o processo de impeachment  de Dilma. A votação na Câmara dos deputados, por exemplo, está prevista para acontecer no dia 17, quatro dias antes do acendimento da tocha olímpica.

Correria o risco de Rousseff ir ao evento em um momento em que seu impeachment já estivesse no Senado. E pior, que ela já estivesse perdido o cargo por conta do processo, o que é mais improvável devido ao pouco tempo entre a votação da Câmara e a do Senado.

Publicidade

Depois do dia 21, a tocha olímpica passará por várias cidades do mundo, até chegar ao Brasil. 

De acordo com uma pesquisa do Datafolha, caso a votação do impedimento fosse hoje, pelo menos 60% dos deputados seria favorável à ela. Para que o processo passe até o Senado é necessário dois terços dos votos, ou seja, mais de 66%. Mais de 100 deputados ainda estariam indecisos, o que pode fazer o resultado mudar até a reta final.  #Lula #Dilma Rousseff