De acordo com uma reportagem publicada pela 'Revista Isto É' em seu site nesta sexta-feira, 1º, a presidente da república Dilma Rousseff estaria com um psicológico frágil em um momento que enfrenta uma iminente queda do cargo mais importante da política do Brasil. O descontrole emocional da companheira política de Luiz Inácio #Lula da Silva teria se intensificado nas últimas semanas, variando, segundo a reportagem, de extrema tensão à absoluta desordem. A 'Istó É' afirma que Rousseff estaria tendo sucessões explosivas dos nervos, fazendo uma desconexão do mundo real. 

Na matéria, a publicação diz que a presidente não tem mais condições emocionais para governar o país e que estaria se entupindo de calmantes.

Publicidade
Publicidade

Até mesmo os aliados de Dilma, que a conhecem, tem medo do que ela possa fazer, já que ela estaria mais arista do que nunca. Uma das medidas tomadas por ela na última semana foi eliminar todo o clipping feito pela sua equipe de assessores. Em seu gabinete ficou proibido aparecerem jornais e revistas, que no geral, mostram um posicionamento contrário ao que ela tem feito no principal posto governamental do território nacional. 

Segundo a 'Isto É', quando vê uma má notícia sobre ela, Dilma começa a xingar palavrões e até quem acompanha ela tem evitado falar sobre o processo de #Impeachment, cuja na segunda-feira, 04, será o último dia de prazo para a defesa da líder do Partido dos Trabalhadores, o PT. Nem mesmo Lula estaria conseguindo compôr argumentos com ela, uma novidade para os assessores da primeira mulher a chegar na presidência; 

A revista ainda informa que todos os dias a "vítima" do impeachment tomaria dois medicamentos por dia, um rivotril e um Olanzapina, todos calmantes.

Publicidade

O segundo deles é administrado em tratamento para esquizofrenia. O problema, de acordo com a 'Isto É', é que os remédios nem sempre fazem efeito e Dilma acaba passando do ponto em seus discursos públicos. 

O palácio do Planalto ainda não comentou a reportagem sobre o destempero emocional de Dilma.  #Dilma Rousseff