A presidente Dilma Rousseff planeja anunciar nos próximos dias uma espécie de "pacote de bondades". O anúncio foi confirmado pelo jornal O Globo nesta sexta-feira, 29, e deve incluir, por exemplo, um provável aumento do Bolsa Família e também uma correção na Tabela no Imposto de Renda, compensando uma questão reclamada há anos, de que o IR não está sendo corrigido de acordo com a inflação. Nesta quinta-feira, 28, por exemplo, a líder petista estava em reunião no Palácio da Alvorada com Nelson Barbosa, Ministro da Fazendo, observando com ele para ver o que era possível fazer nos próximos dias. A ideia é aumentar o Bolsa Família em pelo menos 5%.

Publicidade
Publicidade

O aumento atende à uma reivindicação de movimentos sociais, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Barbosa, no entanto, teria alertado Dilma de que não existe recursos no momento para aumentar o 'Bolsa Família', lembrando que a alteração de valores poderia romper com o orçamento e ferir a lei de responsabilidade fiscal, principal crime no qual a líder petista é acusada em seu processo de impedimento. O dia mais provável para o anúncio das mudanças. Isso se elas ocorrerem é o primeiro de maio, data em que é comemorado o Dia do Trabalhador. O Orçamento do Bolsa Família já para este ano é de R$ 28 bilhões e não haveria espaço para sua inclusão. A afirmação teria sido dita pelo Secretário do Tesouro Nacional, Otávio Ladeira. 

Apenas com a aprovação de uma nova meta fiscal é que o aumento poderia acontecer, mas essa aprovação é uma grande dúvida.

Publicidade

Caso a meta não seja aprovada, Dilma ou Temer, que pode assumir em seu lugar com um provável afastamento após a votação no Senado no dia 11, poderia ser obrigado (a) a ter que realizar novos cortes. 

Outro pacote de "bondades" incluía a demarcação de novas terras para os indígenas, mas o encontro com esse setor foi cancelado em cima da hora. Mais cedo, a presidente anunciou que a permanência de médicos estrangeiros no país, através do programa 'Mais Médicos', seria postergada por pelo menos três anos. No dia 06 de maio, a Comissão do #Impeachment do Senado votará o parecer sobre o documento recebido da Câmara dos deputados.  #Dilma Rousseff #Crise-de-governo